Pecado e Preconceito

Parece até título de livro ou filme, mas não é. É uma forma de discutirmos homossexualidade e homofobia do ponto de vista bíblico e cristão com nossos pré-adolescentes e adolescentes. Esse é um assunto sério e do momento pois todas as mídias estão falando disso e como cristãos, nossos adolescentes precisam ter um posicionamento bíblico, mas jamais preconceituoso sobre o assunto.

Não precisamos pesquisar muito a Bíblia para encontrar vários textos bíblicos que apontam a homossexualidade como pecado: Gn 19:4-11; Lv 18:22; Rm 1:26-28; 1 Co 6:9-11. Infelizmente quando muitos pastores e líderes cristãos se pronunciam publicamente sobre esse pecado, ele se esquecem de que nós, cristãos, também somos pecadores e cometemos outros pecados, até outros tipos de pecados sexuais. A Bíblia, que é nossa regra de fé, nos diz o que é pecado e também nos diz em muitos vesículos que TODOS NÓS SOMOS PECADORES (Ec 7:20; Jo 8:7-9; Rm 3:10) e não apenas os homossexuais. Por isso, e com certa razão os homossexuais se sentem ofendidos e discriminados pelos cristãos.

Como líderes, pastores e pais de adolescentes cabe à nós ensinar à essa Nova Geração o que é pecado sexual, o que desagrada a Deus na nossa vida sexual, como adultério, sexo fora do casamento, homossexualidade e tudo o que está fora dos planos Dele para o sexo. Mas não nos cabe julgar. Por que acolhemos mais facilmente o casal de adolescentes ou jovens que está praticando sexo fora do casamento, mas não acolhemos o adolescente ou jovem homossexual? Por preconceito.

O capítulo 2 da Carta de Tiago nos diz claramente que discriminação ou preconceito desagrada a Deus, ou seja, é pecado. Entendam bem, há uma grande diferença entre não discriminar o pecador e aceitar o pecado. Homossexualidade e preconceito ou discriminação são pecados segundo a Bíblia. Entretanto a Bíblia também nos diz que Deus ama o pecador. “Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores.” Romanos 5:8 

Precisamos nos posicionar sobre os pecados sexuais diante dos nossos adolescentes com uma teologia firme e com o amor do Senhor Jesus Cristo. O conhecido versículo de 1 João 1:9 nos afirma que Deus perdoa os pecados confessados e sabemos que não há pecados imperdoáveis quando há confissão e arrependimento.
Quanto à homossexualidade, há o forte argumento de que alguns homossexuais já nascem assim, ou nascem com uma predisposição para a homossexualidade. Nesse aspecto é importante lembrar que todos nós nascemos com uma predisposição para o pecado, porque como já dizia Renato Russo na música Indios “Nos deram espelhos e vimos um mundo doente”. Sim, até o poeta popular confirma o que Gênesis 3 nos ensina: nosso mundo é doente porque todos nós nascemos com a doença do pecado. Para o homossexual é o pecado da homossexualidade, para o fofoqueiro é o pecado da fofoca, mas cada um de nós tem que lutar dia após dia com o seu próprio pecado, pois todos nós nascemos predispostos para pecar e travamos uma luta diária com o pecado.

Há um ministério incrível nos Estados Unidos, chamado Marin Foundation, criado e dirigido pelo jovem Andrew Marin que trabalha à mais de 10 anos com homossexuais. Certa vez, assisti um de seus cursos pela Internet e quando perguntado por alguém da platéia sobre o seu sucesso em se comunicar tão bem com a comunidade gay, apesar de dizer claramente para eles que homossexualidade é pecado ele repondeu mais ou menos assim: “Quando os primeiros homossexuais começaram a frequentar meus estudos bíblicos na faculdade, lhes fiz essa mesma pergunta e um deles me disse que sempre ouviu os cristãos lhe dizerem que homossexualidade era pecado, mas que eu havia sido o primeiro cristão a lhe dizer que Deus o amava mesmo assim.” Simples como a Palavra de Deus, não é. Se você quiser ler um pouco mais sobre Marin em português, acesse esse link.

Quero terminar esse post deixando para vocês um excelente material do Professor e Pastor Luiz Sayão. para acessar o audio clique aqui e para acessar o texto clique aqui. A revista americana Group, especializada em Ministério com Adolescentes e Jovens trouxe na sua edição de Julho/Agosto matérias especiais sobre Pecados Sexuais e você pode acessá-las nesse link.

Além disso, dia 21/07/2011 às 12h (horário de Brasilia) você pode participar de um Video Webcast com Discussão e Chat sobre Pecados Sexuais ao vivo direto de Denver nos EUA através deste link. Basta acessar e estar com o inglês afiado.

Se você tem mais idéias, outros links sobre o assunto e quiser compartilhar conosco é só deixar seu comentário aqui para que possamos construir juntos um Novo Tempo para o Ministério de Adolescentes no Brasil!   

Anúncios

Convocação para um Novo Ministério de Adolescentes

Acampamento de Pré-Adolescentes em Maio de 2008

Acampamento com Pré- Adolescentes em Maio de 2008

Ter como propósito servir ao Reino através do Ministério de Adolescentes (garotada de 11 à 17 anos) é um tremendo privilégio, mas é dureza. Não que seja fácil servir ao Reino em outros ministérios, mas se você está a algum tempo trabalhando com essa galera, sabe bem do que eu estou falando.

Se você acompanha meu blog, notou que minhas postagens ficaram bem espaçadas nos últimos tempos e se achou que eu estava desanimada, acertou em cheio. Estava mesmo, mas estou voltando com força total e quero convocar todos vocês que se dedicam a trabalhar com pré-adolescentes e adolescentes a sonhar comigo sobre um novo tempo para esse Ministério no nosso país. Sim, sou uma sonhadora e sei que muitos de vocês que estão lendo esse texto aí do outro lado da tela do computador também são e juntos podemos fazer com que esses sonhos se tornem realidade.

Sabemos que no nosso Brasil, o Ministério de Adolescentes não é considerado um ministério de “primeira classe” ou prioritário, como diriam outros. E isso não é privilégio só do nosso país. Assisti essa semana um documentário na Internet, DIVIDED, que tenta provar a tese que o Ministério de Adolescentes não é bíblico e por isso nem deveria existir! Bem, há coisas boas nesse documentário e ele sozinho renderia um post inteiro, mas a sua idéia geral para mim é inconcebível.

Pequenos Grupos de Adolescentes em Outubro de 2010

Minha experiência pessoal, como já disse, chega a ser desencorajadora. Já ouvi, como um elogio, que era muito qualificada para trabalhar com a garotada de 11 à 17 anos porque tenho Master of Divinity ou M.Div. em Estudos Bíblicos e Pastorais, e por isso deveria me dedicar ao Ensino de adultos. Quando fui dispensada da igreja onde exercia a função de Coordenadora de Ensino da Nova Geração, ouvi da liderança que minha função era luxo ao qual a igreja não podia se dar num momento de crise financeira. Quando minha equipe questionou a liderança sobre o futuro do Ministério, a resposta foi de que, ele poderia ser “tocado” por voluntários da melhor maneira que fosse possível. Ou seja, outros ministérios da igreja precisavam de pessoas qualificadas, mas o Ministério de Adolescentes não. E isso não aconteceu porque era nessa igreja específica. Não quero generalizar, portanto digo que isso aconteceria em 99% das igrejas brasileiras.

Mas chegou um Novo Tempo para os Ministérios Infantis,  Ministérios de Adolescentes e Ministérios de Jovens no nosso país. Esses ministérios precisam de pessoas com um chamado sério, preparadas, com uma base teológica sólida porque tem uma missão seriíssima à cumprir.

Como escrevi em um Editorial do dia 28/02/2010 para a igreja onde trabalhava repito aqui:

“Antes de enviar seus discípulos para curar as pessoas física e espiritualmente Jesus lhes disse que as multidões “estavam aflitas e desamparadas, como ovelhas sem pastor.” (Mt 9:36) Essa descrição de 2 milênios atrás aplica-se perfeitamente às crianças, adolescentes e jovens de hoje. Basta olhar nas nossas escolas, nas faculdades, nos shoppings, nas baladas, nas praias, enfim em todos os lugares que multidões da Nova Geração ocupam. 

 A Bíblia usa muitas e muitas vezes a expressão “de geração em geração”, para deixar bem claro que uma geração é responsável pela geração que vem a seguir em versículos como esse de Juízes 2:10-11:

10 Depois que toda aquela geração foi reunida a seus antepassados, surgiu uma nova geração que não conhecia o SENHOR e o que ele havia feito por Israel.

11 Então os israelitas fizeram o que o SENHOR reprova e prestaram culto aos baalins.

Que triste saber que uma geração inteira se afastou dos caminhos do Senhor porque a geração responsável por ela não cuidou dela como deveria. Mas é ainda mais triste perceber que a geração atual está cometendo os mesmos erros com a Nova Geração. Somos rápidos em apontar o dedo para os erros dos nossos adolescentes e jovens, mas esquecemos das nossas responsabilidades para com eles.

É nosso dever mostrar e ensinar à Nova Geração os valores de Deus que são eternos, não mudam com o tempo, com a moda ou com a sociedade da época. E se nós como igreja não atuarmos firmemente na formação da Nova Geração ensinando os valores de Deus para eles, alguém fará isso em nosso lugar. Será que pretendemos deixar a formação da Nova Geração para a escola, para os amigos, para a TV, para o cinema ou para a Internet?”

Líderes e Pastores de Adolescentes não são recreadores ou pessoas com o dom de entreter essa faixa etária. Eles são servos de Deus, chamados por Ele, que buscam se equipar estudando a Palavra de Deus, a cultura e o comportamento dessa faixa etária para ajudar os pais na tarefa de ensinar a Palavra de Deus aos seus filhos e acompanhar a vida espiritual deles.

Por isso estou convocando vocês, líderes, pastores e voluntários que trabalham com adolescentes; pais de adolescentes e outros cristãos que lêem esse blog e estão envolvidos no trabalho com essa Geração de Pode Mudar o Mundo, a elevar esse Ministério à um patamar mais alto, que esse seja um Ministério prioritário para a igreja de hoje e que seja tão importante quanto os outros ministérios da igreja, cuidado por pessoas capacitadas. 

Se você aceitar essa convocação, deixe um breve comentário aqui, clique no like, repasse esse link para outros líderes, enfim, ajude a criar esse novo tempo.