O Desafio de Ensinar a Bíblia para Adolescentes

Banner 2013_09_adolescentes_emkt (2)

No Ministério de Adolescentes temos inúmeras tarefas que vão desde arrumar a sala para criar uma identidade com eles até o desafio de ensinar a Bíblia para essa garotada.

Quando comecei no Ministério de Adolescentes há alguns anos atrás, minhas primeiras noites de sono perdido eram sempre sobre: O que vou ensinar? Como vou conseguir a atenção dos adolescentes? Como fazer para que a mensagem bíblica os alcance?. Sempre gostei de planejamento e quase entrava em pânico para montar um currículo de Ensino Bíblico fiel às Escrituras, interessante e relevante para os adolescentes e que tivesse uma sequência.

Sei que essa é a luta de muitos de vocês também e por isso, em conjunto com o Seminário Teológico Servo de Cristo, pensei nesse curso. Não teremos todas as nossas dúvidas resolvidas, mas caminharemos juntos por essa trilha nessas 3 noites e avançaremos em vários dos aspectos que necessitamos nessa área do ministério.

Espero vocês lá.

A Triste Reflexão sobre a Morte do Champignon

Fãs fazem homenagem ao músico Foto: Kleber Tomaz/G1

Fãs fazem homenagem ao músico Foto: Kleber Tomaz/G1

Começamos essa semana com a notícia da trágica morte do músico Champignon, integrante da famosa banda Charlie Brown Jr. Essa morte é ainda mais chocante, pois tudo indica que o músico cometeu suicídio e ocorreu apenas 6 meses após a também trágica morte de Chorão (líder da banda) por overdose. Homenagens e posts nas redes sociais mostram o inconformismo, a tristeza e o impacto que essa morte causou nos fãs. O que a morte desse jovem músico, ídolo de muitos adolescentes e jovens, nos leva à refletir?

Entre as muitas notícias publicadas sobre a morte de Champignon, uma fala do próprio músico chamou minha atenção. Numa entrevista ao G1 no dia 6 de maio, após a morte de outro amigo por suicídio, Peu, Champignon fez a seguinte declaração“Os dois (Chorão e Peu) perderam a fé. Quando perdem a fé, perdem a vontade de viver. Foi mais um dia muito triste”. Essa declaração me leva a perguntar: Em que eles tem fé? Por que eles perderam a vontade de viver?

Os integrantes do Charlie Brown Jr

Os integrantes do Charlie Brown Jr

Aparentemente, os três jovens músicos, mortos nos últimos 6 meses, haviam conseguido fama, sucesso e dinheiro, três coisas que os jovens buscam hoje em dia. Esses três alvos são difíceis de ser alcançados, mas podem ser perdidos do dia para a noite. E se a vida está baseada somente nessas coisas, se perde a vontade de viver. Muitos adolescentes e jovens são escravos da fama, do sucesso, do dinheiro, das drogas (como no caso do Chorão) e vivem em função disso.

Mas a Bíblia nos diz que não precisamos ser escravos e que podemos ser livres. Paulo escreve em Gálatas: “Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão.” Gálatas 5:1 

Imagem: FreeDigitalPhotos.net

Imagem: FreeDigitalPhotos.net

Precisamos mostrar aos adolescentes e jovens que uma vida com Deus é a melhor vida que podemos ter independente de qualquer coisa. Jesus nos diz em João 10:10 “O ladrão vem apenas para furtar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente.” Ele também disse em João 8:32 “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará”.

Ao contrário do que muita gente pensa, o cristão é livre. Viver uma vida séria com Deus é viver uma vida de liberdade e não uma vida cheia de regrinhas e de “Não Pode”. Nós somos livres para escolher como vamos viver e no que vamos ter fé. A escolha é nossa: Nós podemos viver da maneira que Deus quer ou podemos viver da maneira que o mundo nos diz como viver. Nós podemos ter fé em Deus que não nos abandona jamais ou podemos ter fé nas coisas que podem acabar de repente

Concluindo, nós podemos acreditar nas mentiras que o mundo de hoje nos diz ou podemos acreditar na verdade de Deus que não nunca muda. O quadro abaixo nos mostra bem isso:

tabela post

Nosso trabalho é ajudar nossos adolescentes a refletirem sobre essas tragédias e ajudá-los a fazerem a escolha pela liberdade.