Série: O Que Eles Tem na Cabeça? Adolescentes precisam dos Adultos

livro dr siegel

Sei que podemos olhar para nossos pré-adolescentes e adolescentes e rapidamente dizer que eles estão cada vez mais se afastando dos adultos. Mas por que será que isso acontece? Qual é a parte dos adultos nessa dinâmica? E isso tem a ver com o desenvolvimento cerebral deles?

A adolescência é uma fase incrível de expansão dos limites. A principal tarefa da adolescência é a INDIVIDUAÇÃO.  Dr. Chap Clark em seu livro “Hurt:2.0” (ainda sem tradução para o português)  define muito bem esse processo.

“Adolescência é uma busca psicossocial independente por uma identidade única ou por uma separação… com o objetivo final de ter um certo conhecimento de quem você é em relação aos outros, uma disposição para se responsabilizar pela pessoa que você está se tornando e a percepção de ter um compromisso para viver em comunhão com os outros.”

 Para que o adolescente se torne um indivíduo que caminha para a fase adulta ele busca sua identidade, sua autonomia e um sentimento de pertencer. E para que isso aconteça o cérebro adolescente passa por mudanças drásticas, que podem ser tanto uma excelente oportunidade de crescimento e desenvolvimento quanto uma crise com dimensões trágicas.

 

cérebro em construção O cérebro do adolescente está “em construção” e córtex pré-frontal que tem a responsabilidade de integrar as funções cerebrais tem suas funções temporariamente prejudicadas. O equilíbrio das emoções, planejamento do futuro, a percepção do contexto e a empatia estão comprometidos. Quando analisamos isso fica mais fácil entender a rebeldia, comportamentos de risco e alterações súbitas de humor que caracterizam a adolescência. E em sua maioria os adultos, tão necessários nessa fase, não entendem isso, rotulam os adolescentes ou “aborrescentes” e colocam barreiras entre eles e os adolescentes.

A verdade é que não foram os adolescentes que viraram as costas para os adultos de forma arrogante. Eles foram praticamente “abandonados” pelos adultos que não conseguem entender o que acontece nessa complexa fase do desenvolvimento humano.  Em seu livro Cérebro Adolescente: o Grande Potencial, a Coragem e a Criatividade da Mente dos 12 aos 24 Anos, o Dr. Daniel Siegel destaca em vários trechos a importância dos adultos no desenvolvimento do adolescente. Adolescentes precisam de referenciais e de mentores adultos para que possam se desenvolver de maneira positiva. Quero destacar aqui um trecho do livro:

“Os adolescentes acham que precisam mais uns dos outros do que precisam dos adultos. Adolescentes são nosso futuro e é por meio da coragem deles e de seus esforços às vezes exagerados, mas criativos, de “não ser como todo mundo”, que nossa espécie vem se adaptando. Se quisermos sobreviver nesse planeta frágil e magnífico vamos precisar de toda a ingenuidade da mente rebelada adolescente para encontrar soluções para os graves problemas que a nossa geração adulta e as anteriores criaram.” 

Convido você a ler o texto acima pensando na igreja e nos adolescentes. Também quero lembrar de adolescentes usados por Deus, como Davi (1 Samuel 17:17-50), Daniel (Daniel 1) e Maria (Lucas 1: 26-55).

Precisamos falar de política com as novas gerações de cristãos!

politica-adolescentes

Depois das eleições municipais no último domingo, comecei a observar as manifestações de adolescentes e jovens nas redes sociais. Ainda na noite de domingo, um dos mais populares programas da TV brasileira exibiu uma reportagem sobre os jovens e a política no Brasil. Aqui você pode ler mais sobre isso e aqui pode ver a pesquisa que originou a reportagem. Nossos adolescentes e jovens estão falando, discutindo e respirando política, como poucas vezes vimos nesse país.

Já vinha pensando sobre o assunto num misto de contentamento, porque afinal nossos adolescentes e jovens não são alienados, e preocupação, porque parece haver uma tendência bem clara de doutrinação política. Essa tendência é evidente nesse vídeo do filósofo Luiz Felipe Pondé sobre o impeachment de Dilma Rousseff.

E logo comecei a pensar em como nós, cristãos, estamos ou não estamos discutindo política com nossos adolescentes e jovens à partir de uma perspectiva cristã. Nosso país tem respirado política nesse último ano e nossas igrejas precisam abrir espaço para que jovens e adolescentes possam discutir e aprender sobre o posicionamento do cristão na política. Não estou contrariando a sabedoria popular, que diz que “política, futebol e religião não se discute.” Percebam que não defendo uma discussão partidária, mas sim de ideias e conceitos que se alinhem com o pensamento cristão.

Precisamos mostrar aos nossos adolescentes e jovens que, para nos posicionar nesse cenário, temos que conhecer a Lei de Deus e ter consciência da nossa missão como cristãos no mundo. O cristão pode e deve se envolver nas questões relativas à política e à cidadania.

Um bom começo é conversar com eles sobre cristãos que se engajaram em causas políticas no tempo deles e que foram tão importantes a ponto de terem suas vidas retratadas em livros e filmes: Dietrich Bonhoeffer e William Wilberforce. Bonhoeffer, um pastor na Alemanha nazista foi preso e morto por se opor ao governo. Esse cristão atuou como agente secreto e participou do movimento que tramou o assassinato de Hitler. Além dos livros que ele escreveu, eles podem aprender mais sobre Bonhoeffer no antigo filme, Agente da Graça. William Wilberforce lutou pelo fim da escravidão na Inglaterra no século 19 e sua história é retratada no filme Jornada pela Liberdade.

Também encontramos várias pessoas na Bíblia que se posicionaram diante de governos de acordo com sua fidelidade a Deus: José; Moisés, Neemias, Mardoqueu, Ester, Daniel e seus amigos Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, os profetas do Antigo Testamento, João Batista e Paulo.

Precisamos mostrar aos nossos adolescentes e jovens que, para nos posicionar nesse cenário, temos que conhecer a Lei de Deus e ter consciência da nossa missão como cristãos no mundo. O cristão pode e deve se envolver nas questões relativas à política e à cidadania:

  • Conhecer a Lei de Deus

Há muitos textos sobre isso, mas destacaria como principais: Romanos 13:1-7 e 1 Pedro 2:13-14

  • Conhecer nossa missão como cristãos

Os cristãos não devem ser seres alienados. Não podemos nos esquecer de que somos, acima de tudo, cidadãos do Reino de Deus e não estamos nesse mundo a passeio. Estamos aqui para fazer diferença e falar do amor de Deus e da Salvação em Cristo Jesus. Somos agentes de transformação, mas da transformação que vem de dentro para fora e muda as pessoas.

Para nossa reflexão, cito  trechos de um texto de Robinson Cavalcanti (1944- 2012), que foi bispo anglicano da Diocese do Recife e autor de muitos livros.

Uma questão, porém, nos desafia: o que fazer com a nossa vida entre a conversão e a morte/arrebatamento?… Deveríamos ser — como alguém afirmou — apenas “pré-cadáveres cantantes”? Ou há um mandato cultural entregue pelo Criador à humanidade e recuperado, primeiro, por Israel e, depois, pela Igreja? 

A ação política (cidadã) não deve se limitar ao partidário nem, muito menos, ao eleitoral, mas a uma atitude de responsabilidade, sensibilidade, disponibilidade e intervenção no cotidiano, que é obediência e testemunho. 

“A tarefa da Igreja é uma só: mudar o mundo” Charles Finney

Eu tenho um sonho

Parafraseando Martin Luther King, quero falar do meu sonho. E escolhi falar sobre isso hoje, um domingo. Hoje muitas igrejas estão reunidas para adorar a Deus, ter comunhão e ouvir e aprender mais sobre a Palavra de Deus. Mas será que as igrejas estão se reunindo como Jesus queria? Será que estamos reunidos como “família de Deus“? Eu receio que não.

A Bíblia nos diz que fomos adotados como filhos de Deus. Jesus é o Filho Único de Deus, mas nós fomos adotados independente da idade, gênero, etnia, nação ou qualquer outra divisão que a sociedade e a cultura nos impõe. Infelizmente não é isso que vemos em nossas igrejas que deveriam representar a família de Deus aqui na terra. Vivemos numa sociedade fragmentada e a igreja também está fragmentada. Separamos nossas crianças, adolescentes e jovens da grande congregação! E temos feito essa separação há tanto tempo e com tanta eficiência, que as novas gerações estão cada vez mais distantes dos adultos. Trabalho com as novas gerações há muito tempo e sei que é necessário termos um trabalho cuidadoso e direcionado para elas. Infelizmente transformamos esse trabalho específico numa separação e as novas gerações não se sentem parte da família de Deus. E meu sonho é ver as novas gerações integradas à grande família de Deus novamente!

Foi sonhando com isso que me deparei com esse vídeo abaixo:

Crianças, adolescentes e jovens que estão buscando um lugar onde se encaixem. Um lugar onde sejam acolhidos e amados e possam produzir uma sinfonia tão bonita como a do vídeo!

Sim, esse é meu sonho! Sei que é algo que leva tempo, dedicação, doação, paciência, amor e intencionalidade. O sonho pode ser meu, mas a ideia é de Deus! Quando é que a igreja de Jesus Cristo vai se posicionar para tornar esse sonho realidade?

Por isso convido você a deixar seu comentário aqui e sonhar comigo. Teremos muitos outros posts para nos aprofundarmos nessa ideia. Por enquanto, sonhe comigo!

Nova Página: Perguntas e Respostas

Igreja O Brasil Para Cristo em Calmon Viana, Poá

Igreja O Brasil Para Cristo em Calmon Viana,                                             Poá

No último domingo, dia 25 de agosto, estive na Igreja O Brasil para Cristo Calmon Viana em Poá para um bom bate papo com pais e filhos adolescentes.

Tive a oportunidade de responder algumas perguntas feitas por eles e compartilhar um pouco das minhas experiências pessoais. Creio que as perguntas respondidas lá podem ajudar muitos líderes e pais de adolescentes, por isso resolvi criar uma nova página no blog chamada Perguntas e Respostas.

A página começa com as perguntas feitas e respondidas naquele evento, mas vocês também podem mandar suas perguntas para esse blog através do espaço Deixe uma Resposta, no final da página.

Espero que esse seja mais um canal de comunicação e ajuda para aqueles que trabalham com adolescentes e para pais.

Escolhas de Hoje que Determinam o Amanhã

Ontem, domingo, pela manhã fiz algo que é muito raro e decidir assistir ao Esporte Espetacular com meu marido. E tive uma grata surpresa!

Ronaldo acompanha a saída de Carlos (Foto: Reprodução / TV Globo)

Ronaldo acompanha a saída de Carlos           (Foto: Reprodução / TV Globo)

O programa mostrou uma matéria emocionante sobre dois amigos que costumavam jogar futebol juntos quando jovens e que se reencontraram em uma situação inusitada 20 anos depois. Eles até chegaram a jogar em diversos times de segunda divisão no Brasil e no exterior. Mas os dois escolheram caminhos tão diferentes na juventude que um acabou se tornado juiz de direito e o outro um presidiário por tráfico de drogas. Para ler mais sobre isso ou assistir a matéria na íntegra clique aqui.

Logo pensei  nos nossos adolescentes e jovens e nas escolhas que eles tem fazer hoje e que podem decidir o futuro deles. E há alguns fatores a serem considerados aqui. Vivemos num mundo onde o que importa é viver o momento e a satisfação momentânea sem se importar com as consequências futuras. E sabemos que para tomar  decisões sábias precisamos levar em consideração as possíveis conseqüências de diferentes escolhas.

Um outro aspecto importante é que recentemente as pesquisas sobre o desenvolvimento cognitivo de adolescentes e jovens tem avançado muito principalmente em dua áreas: desenvolvimento do pensamento crítico e a tomada de decisões. Essas duas habilidades são essenciais para que eles possam fazer escolhas sábias. Mas além de adolescentes e jovens  estarem atingindo seu potencial de pensamento crítico mais tarde, todo o nosso sistema educacional e as “facilidades” do mundo tecnológico não permitem que eles desenvolvam completamente esse potencial. Soma-se a isso o fato de que fatores psicossociais como emoções, pressão do grupo e mídia exercem mais influência sobre eles, na hora de tomar decisões, do que sobre os adultos.

Foto: Freedigitalphotos.net

Foto: Freedigitalphotos.net

Novas pesquisas também mostram que o desenvolvimento cerebral hoje é mais lento do que no passado e embora a cognição vá se desenvolvendo ao longo da adolescência e juventude, ela só estará completamente madura na idade adulta. Portanto, as habilidades em áreas como tomada de decisões e pensamento sobre as consequências de seus atos ainda não estão completamente desenvolvidas. Isso explica a facilidade que adolescentes e jovens tem para se envolver em situações de risco e para tomar decisões com consequências desastrosas.

Então qual é a saída para isso? Já que não podemos interferir no desenvolvimento cerebral, podemos atuar nos fatores psicossociais. Pais, líderes, professores e a própria igreja podem ser uma boa influência sobre eles. Para isso, pais tem que estar cada vez mais próximos de seus filhos e desenvolver relacionamentos de amor e confiança com eles e a igreja deve ser parceira dos pais nessa tarefa. A Bíblia está repleta de histórias de pessoas que tomaram decisões erradas, como Davi e Sansão, e sofreram as graves consequências dessas decisões. Nossos adolescentes e jovens precisam conhecer essas histórias e saber que elas continuam se repetindo hoje, como na história do ex-jogador de futebol e do juiz que a reportagem do Esporte Espetacular mostrou.

Foto: Freedigitalphotos.net

Foto: Freedigitalphotos.net

“Há caminho que parece reto ao homem, mas no final conduz à morte.”
Provérbios 16:25

Que Deus nos dê a sabedoria necessária para ajudar nossos adolescentes e jovens a tomarem decisões que irão determinar o futuro deles.

Quando Deus Renovou meu Chamado

Logo da NYMC 2009

Logo da NYMC 2009

Servir a Deus no Ministério de Adolescentes é muito bom, mas não é nada fácil. Se você está nesse ministério por um tempinho, sabe bem do que eu estou falando.

Era apenas o começo de 2009, e a igreja na qual eu trabalhava estava fazendo uma “santa” pressão para que eu deixasse o ministério da Nova Geração e me dedicasse ao ensino de adultos. Afinal, eu tinha meu MDiv e era muito qualificada. Em outras palavras, qualificada demais para servir no Ministério de Adolescentes. Esse tipo de elogio era quase que uma ofensa para mim, pois tinha ido para o Seminário estudar e me preparar para servir nesse ministério. E apesar de ter todo o apoio do meu chefe na época, o pastor das Faixas Etárias, eu ficava em dúvida. Valia a pena viver brigando por mais espaço para os adolescentes na igreja, trabalhar muito e ganhar tão pouco?

Group capaSou assinante da revista norte-americana Group e estava “namorando” uma Conferência de Ministério de Adolescentes que aconteceria em Columbus Ohio, no final de fevereiro daquele ano. Então 10 dias antes dessa Conferência, decidi que iria participar dela e iria buscar respostas de Deus lá. Só havia alguns probleminhas: as inscrições estavam esgotadas, não havia lugar nos hotéis, precisava comprar uma passagem para os EUA, convencer meu chefe e implorar para o meu marido. Para encurtar uma longa estória, resolvi todos esses probleminhas com alguns telefonemas no espaço de mais ou menos uma hora.

Livro que eu ganhei

Livro que eu ganhei

Dia 27 de fevereiro, à 1:00h da manhã desembarquei em Columbus, Ohio. A família que havia hospedado meu filho durante seu intercâmbio nos EUA, veio me buscar e me dar abrigo. Eles moram numa pequena cidade distante 1 hora de Columbus. Às 10 horas daquele mesmo dia, eu chegava no Centro de Convenções para a Pré-Conferência com Doug Fields sobre como liderar e manter uma equipe voluntária. Eram cerca de 140 pessoas na sala e ao término da primeira parte o Doug disse que daria seu mais recente livro para a pessoa que havia vindo de mais longe. E como eu era a única estrangeira da sala, ganhei o livro.

Meu crachá com os bottons

Meu crachá com os bottons

No final da Pré-Conferência, o Doug veio conversar comigo: como eu tinha ido parar lá? Minha igreja no Brasil estava me enviando? Quem era eu? Contei rapidamente para ele minha estória e no mesmo instante Doug pegou seu rádio e chamou a Kami Gilmour. Ela era a diretora da Conferência e assim que ela chegou na sala, o Doug pediu para ela ir comigo até a livraria da Conferência para que eu pegasse tudo o que iria precisar! O quê? Esse cara é louco? Mal me conheceu e resolve me dar todo o material que eu quisesse? Perguntei por que ele estava fazendo aquilo e ele me respondeu que assim eu voltaria para o Brasil com material suficiente para dizer à liderança da minha igreja, que o Doug Fields estava mandando eu continuar no Ministério de Adolescentes! Será que Deus estava respondendo minhas perguntas?

Foi com essa dúvida que comecei a assistir o vídeo de abertura da NYMC algumas horas mais tarde. E as frases do vídeo começaram a falar diretamente comigo:

Você se lembra:

  • O que sentiu quando soube que estava embarcando numa jornada para mudar vidas
  • E aquele momento em que um garoto se rendeu e aceitou a Cristo
  • Do olhar deles quando só você e ninguém mais parecia se importar com eles
  • Quando você quis largar tudo, mas voltou atrás na manhã seguinte
  • Da primeira vez que sentiu que não estava só no ministério
  • E daqueles dias em 2009, em Ohio, quando Deus renovou seu chamado para o Ministério de Adolescentes?

Nessa altura, aos prantos, tinha vontade de gritar: “Sim, eu me lembro Senhor!”. Mas logo veio a dúvida: Será que Deus está respondendo minhas perguntas?

Braddigan

Braddigan

Depois de ouvir dois garotos, Alex e Brett Harris, falando sobre o livro deles “Do Hard Things”, (“Radicalize” na edição em português) uma banda subiu ao palco e antes de começarem a tocar, eles se apresentaram. Era a banda Braddigan composta por Brad Corrigan (americano), Reinaldo (porto riquenho) e Tiago (brasileiro!). Eles começaram tocando uma música composta por eles nas 3 línguas e alguns segundos depois, todo o auditório de 2000 pessoas estava louvando a Deus em português! Sim, Deus estava respondendo minhas perguntas!

Quero encorajar você que tem lutado bravamente para sobreviver no Ministério de Adolescentes. Deus quer pessoas preparadas e apaixonadas por esse ministério! Você não está sozinho! Vamos nos unir por esse ministério no Brasil!

Lembro-me da minha aflição e do meu delírio, da minha amargura e do meu pesar.
Lembro-me bem disso tudo, e a minha alma desfalece dentro de mim.
Todavia, lembro-me também do que pode dar-me esperança
Lamentações 3:19-21 

Sonhe comigo e sonhe com a SYMC 2014

Que Evangelho Estamos Ensinando para os Adolescentes?

garotinho e Bíblia

Foto: Freedigitalphotos.net

almost-Christian-bookComo já havia dito aqui no blog, vou compartilhar com vocês o que estou lendo e aprendendo nesse semestre. E o primeiro livro que li foi o “Almost Christian: What the Faith of Our Teenagers is Telling the American Church”  ou “Quase Cristãos: O Que a Fé dos Nossos Adolescentes está Dizendo para a Igreja Americana” da Kenda Creasy Dean. E logo no início do livro, a autora cita uma frase de John Wesley de 1741, que diz: “A Igreja está cheia de quase cristãos que não tem uma caminhada com Cristo.”

Sei que alguns podem ter críticas quanto ao conteúdo do livro para nós aqui no Brasil, pois ele foi baseado em dados do National Study of Youth and Religion (NSYR), que foi feito com adolescentes americanos. Mas a realidade é que a cultura adolescente ou cultura teen está muito globalizada e os adolescentes brasileiros dos grandes centros tem muitas semelhanças com os adolescentes americanos.

Foto: Freedigitalphotos.net

Foto: Freedigitalphotos.net

Em resumo, o livro nos mostra dados que nos fazem refletir sobre qual é mensagem que estamos ensinando aos adolescentes. Kendra nos lembra que a fé dos adolescentes é um reflexo da fé de seus pais e por extensão, de suas igrejas. E a resposta que mais intrigou pesquisadores e a própria autora é que a igreja não é tão importante para os adolescentes cristãos evangélicos, católicos e judeus. Além disso, todos acham que “Deus é bom e legal” e os cristãos definem Jesus como “um cara legal”. Para eles a religião parece ser uma coisa boa, mas o relacionamento deles com Deus é tão profundo quanto um pires.

Baseados nisso, dois pesquisadores americanos, Christian Smith e Melinda Denton, concluíram que isso é resultado do que a igreja de hoje vive e ensina, e que eles denominaram de: Deísmo Moralista Terapêutico. O Deísmo Moralista Terapêutico foi aos poucos substituindo o verdadeiro Evangelho de Cristo.

O Deísmo Moralista Terapêutico diz que:

  1. Existe um deus que criou e comanda o mundo e observa a vida na Terra.
  2. Deus quer que as pessoas sejam boas, legais e justas umas com as outras, como a Bíblia e a maioria das religiões ensina.
  3. O principal objetivo na vida é ser feliz e se sentir bem.
  4. Deus não está envolvido na minha vida, exceto quando eu preciso de Deus para resolver um problema.
  5. Pessoas boas vão para o céu quando morrem.

Qualquer semelhança da fé dos adolescentes da igreja com o Deísmo Moralista Terapêutico não é mera coincidência, mas é a triste realidade. Mas não se desespere, embora eu tenha ficado muito desanimada com essa conclusão. A boa notícia é que a longo prazo, o Deísmo Moralista Terapêutico não preenche o lugar do verdadeiro relacionamento com Deus na vida dos adolescentes. E eles estão abertos para conhecer o Evangelho de Jesus Cristo.

Foto: Freedigitalphotos.net

Foto: Freedigitalphotos.net

Precisamos ajudar os adolescentes a desenvolverem sua própria fé. Temos que ensinar o verdadeiro Evangelho que está fundamentado nas Escrituras Sagradas com seus textos e ensinamentos muitas vezes duros e de difícil compreensão, mas que revelam as insondáveis maravilhas de Deus. Precisamos pedir e confiar no poder do Espírito Santo que vai revelar aos adolescentes o plano redentor de Deus através de Jesus Cristo. E precisamos desafiar nossos adolescentes a serem as pessoas que Jesus quer que eles sejam, para que eles possam mostrar Cristo no mundo em que vivem.

Não é uma tarefa fácil, mas precisamos fazer a opção de ensinar para as novas gerações o Evangelho que transforma vidas e muda o mundo. Ou iremos repetir a história que lemos no livro de Juízes:

“Depois que toda aquela geração foi reunida a seus antepassados, surgiu uma nova geração que não conhecia o Senhor e o que ele havia feito por Israel.
Então os israelitas fizeram o que o Senhor reprova e prestaram culto aos baalins.”
Juízes 2:10-11