Série: O Que Eles Tem Na Cabeça? Depressão e Suícidio

depressão Image courtesy of tuelekza at FreeDigitalPhotos.net

Imagem cortesia de tuelekza de FreeDigitalPhotos.net

A mídia tem alertado pais e responsáveis sobre o Jogo da Baleia Azul. E há alguns dias noticiou o que teria sido a primeira morte causada pelo jogo no Brasil. Há muitas coisas a serem esclarecidas sobre o assunto.

Primeiro, não há comprovação de que o jogo (Blue Whale Game) tenha causado mais de 130 mortes de adolescentes na Rússia. O que realmente se tem de concreto é o suicídio de 3 adolescentes russas e o primeiro suicídio ocorreu em 2015. Segundo, infelizmente houve o suicídio de um adolescente de 13 anos em Nova Iguaçu, mas não há nada que ligue o trágico fato ao jogo. O adolescente enfrentava uma grave depressão.

O que sabemos de concreto é que a depressão e o suicídio entre adolescentes estão aumentando no Brasil e no mundo. No Brasil, de 2002 a 2012 houve um crescimento de 40% da taxa de suicídio entre crianças e pré-adolescentes com idade entre 10 e 14 anos. Na faixa etária de 15 a 19 anos, o aumento foi de 33,5%. A causa principal do suicídio entre os adolescentes é a depressão, que deve ser identificada e tratada. Segundo Dr. Daniel Siegel, o aumento da intensidade emocional na adolescência pode levar à impulsividade, à depressão e reações extremas como o suicídio. Dr. Siegel também alerta que a impulsividade pode transformar a busca por sensações em ação sem levar em conta as consequências.

Outro fato concreto é a tremenda popularidade que a série “13 Reasons Why” da Netflix13 reasons why está alcançando entre adolescentes e jovens. A série aborda assuntos importantes como bullying, assédio, estupro, falta de diálogo com a família, depressão e suicídio na adolescência. Mas depois de assistir alguns capítulos e a terrível cena do suicídio da personagem principal comecei a pensar sobre os danos que algumas cenas podem causar nos cérebros em desenvolvimento dos adolescentes.

A intenção da série é alertar sobre o suicídio na adolescência e recomendo que pais, professores e líderes de adolescentes assistam. Talvez os autor e produtores não tenham se preocupado com o fato do cérebro adolescente ser tão impressionável. A atenção que Hanna recebe após o suicídio e o planejamento do suicídio passo a passo acabam conferindo certo glamour ao suicídio. A adolescência é uma fase de muita vulnerabilidade e há o risco de adolescentes se identificarem de forma negativa com a personagem principal. Os assuntos tratados na série devem ser discutidos e acompanhados por pais e responsáveis.

Que nossos adolescentes possam lembrar-se do que diz o salmista:

Estavam famintos e sedentos; suas vidas iam-se esvaindo.
Na sua aflição, clamaram ao Senhor, e ele os livrou da tribulação em que se encontravam e os conduziu por caminho seguro a uma cidade habitada.
Salmos 107:5-7

Quem é Thiago Braz?

 

Foto de DAVID GRAY/ REUTERS

                                                                                                                               Foto de David Gray/Reuters

Sei que como eu, muitos brasileiros acordaram hoje perguntando: “Quem é Thiago Braz?”. Confesso que até a medalha de ouro desse jovem brasileiro, eu não tinha ouvido falar dele. Assim que pude fui pesquisar sobre o atleta na Internet e minha primeira pesquisa foi na ficha dele publicada pelo COB (Comitê Olímpico Brasileiro). Logo, algumas informações chamaram minha atenção:

HOBBIES: Assistir filmes e ler a Bíblia

OBJETIVOS PROFISSIONAIS: Atingir o que Deus tem para mim

Mais algumas pesquisas e vejo que a história de Thiago é mais uma história de superação. Ele foi abandonado pela mãe ainda menino e foi criado pelos avós. Ao ser perguntado sobre quem seriam as pessoas mais importantes na sua trajetória, ele respondeu “Deus e meus avós”.  Thiago também tem um triste histórico de não resistir às pressões das grandes competições como o Mundial e o Pan. Mas na maior de todas as competições ele finalmente venceu e diz que sua vitória foi um milagre de Deus!

Encontrar notícias, imagens e vídeos sobre o grande feito de Thiago é muito fácil. Thiago é casado com uma jovem atleta, Ana Paula, que foi entrevistada logo após a conquista dele. Vibrando com a conquista, Ana Paula fala do grande empenho do marido para conquistar essa medalha de ouro. E continua dizendo “Hoje o dia foi preparado por Deus para o Thiago e ninguém mudava isso. É para honra de Deus!” Confira a entrevista aqui.

Thiago Braz FBNa página oficial dele no Facebook, encontro essa postagem ao lado. Thiago sabe que Deus está com ele na vitória ou na derrota! Ele crê no Deus que não nos abandona jamais.

Thiago também foi entrevistado após a prova e quando perguntado sobre como conseguia se manter tão calmo, ele respondeu: “Aprendi a ter fé e confiar em Deus. Ele tem me ensinado muita coisa, até mesmo a concentração.” Confira essa entrevista aqui.

Várias notícias descrevem Thiago como muito religioso, mas uma delas diz “É comum ver o atleta brasileiro usando as redes sociais para compartilhar imagens de fé. Adota o discurso em seu dia a dia.” Parece que não é apenas mais um discurso de alguém que se diz cristão, mas é uma fala de alguém que vive de acordo com sua fé! Nessa época de escassez de referências para nossos adolescentes e jovens, a vida do Thiago Braz, com suas derrotas e vitórias, pode ajudá-los a ver que ter uma vida com Deus vale à pena!

Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus.
Pensem bem naquele que suportou tal oposição dos pecadores contra si mesmo, para que vocês não se cansem nem se desanimem.
Hebreus 12:1-3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como os Adolescentes Lidam com a Tecnologia?

Foto: FreeDigitalPhotos.net

Foto: FreeDigitalPhotos.net

A resposta para essa pergunta seria assunto de um livro, mas vou tentar discutir alguns pontos principais num post! Vivemos cercados pela tecnologia e somos beneficiados por tudo o que ela nos trouxe, mas isso se torna ainda mais intenso quando pensamos em adolescentes e jovens.

A tecnologia é um grande avanço que fascina a todos e que exerce uma grande influência nas gerações mais novas. Embora isso tenha o seu lado bom, cada vez mais temos que lidar com os efeitos nocivos da tecnologia, principalmente com a Dependência Tecnológica. Esse é um problema mundial e tão grave que o Hospital das Clínicas de São Paulo iniciou um trabalho voltado para esse transtorno com o  Grupo de Dependência Tecnológica do Programa de Transtornos do Controle dos Impulsos . Especialistas de todo o mundo já começam a considerar a Dependência Tecnológica como um problema de saúde pública.

Foto: FreeDigitalPhotosnet

Foto: FreeDigitalPhotosnet

O problema tem aumentado muito nos últimos anos no Brasil, principalmente pelo avanço dos Smartphones (objeto de desejo da maioria dos adolescentes), pelo uso frenético das Redes Sociais (Facebook, Twitter, Instagram) pelas gerações mais novas e pelo estilo de vida solitário que temos.

Os adolescentes são os mais suscetíveis à esse tipo de dependência, havendo uma diferença entre garotos e garotas. Os garotos buscam mais o entretenimento e a competição (games), enquanto as garotas tem uma tendência maior para ações multitarefa e focam sua atenção para a comunicação (redes sociais, mensagens de texto). Essa maior suscetibilidade é devida principalmente à estrutura cerebral do adolescente. As mais recentes pesquisas tem mostrado que nessa etapa da vida o cérebro não está completamente formado, no que diz respeito ao seu funcionamento. Ele ainda não desenvolveu a capacidade de impedir comportamentos e principalmente de prever as consequências de suas ações. Isso só começa a acontecer a partir dos 20 anos de idade. Por isso o adolescente chega a passar a noite acordado jogando, trocando mensagens nas redes sociais ou navegando na Internet. Ele sabe que tem que dormir cedo para poder ir à escola no dia seguinte, mas não consegue medir as consequências de passar a noite em claro.

Foto: FreeDigitalPhotos.net

Foto: FreeDigitalPhotos.net

Também é muito importante ressaltar que a dependência dos games é devida a liberação de dopamina pelo cérebro. A dopamina é um neurotransmissor cerebral responsável pela sensação de bem estar. É essa sensação de bem estar que vai levar à dependência dos games e de drogas. Os dois tipos de dependência envolvem a busca por sensações agudas de prazer.

Adolescentes e jovens sabem muito bem como usar tudo o que a tecnologia oferece, mas não conseguem ter o controle sobre esse uso e acabam ficando reféns da tecnologia. É preciso, entretanto, diferenciar o desejo normal de mandar mensagens, postar na redes sociais e usar games da Dependência Tecnológica. A dependência acontece quando o adolescente perde o controle sobre o uso da tecnologia e não consegue mais administrar o tempo que fica jogando ou fica conectado.

Outro importante fator a ser considerado são os problemas de comunicação que os adolescentes podem ter.Ele não faz mais chamadas telefônicas, ele manda mensagens ou torpedos. E isso acontece muitas vezes dentro de casa, quando o adolescente chega a se comunicar com os pais ou irmãos que estão em outros ambientes da casa, apenas através de mensagens. O adolescente dependente troca as conversas reais por conexões virtuais.   

E são as conversas com os outros que nos ajudam a desenvolver conversas com nós mesmos ou a capacidade de auto-reflexão. Para crianças e adolescentes em formação há um grande prejuízo no desenvolvimento do auto conhecimento. Então devemos nos perguntar: como esse adolescente vai se comportar em relação à sua espiritualidade, ao seu relacionamento com Deus, se não desenvolveu corretamente a capacidade de auto-reflexão? Como ele vai se relacionar com seus pares, vai refletir sobre suas ações e seus erros se essa capacidade está prejudicada?

Sempre que penso em “dependência”, lembro que quando dependemos de qualquer outra coisa que não seja Deus, deixamos que o objeto da nossa dependência assuma o lugar de Deus na nossa vida. Podemos comparar isso à idolatria, que acaba nos afastando de Deus. Vale lembrar as palavras do próprio Jesus em Mateus 6:24 e Mateus 22:37-38 .

Cabe à nós, pais, líderes e professores de adolescentes ajudá-los à controlar a tecnologia e não se deixar controlar por ela. 

Para assistir à Palestra “Internet, gamemania e compulsão tecnológica” clique aqui.

E os Adolescentes cairam na Rede…

Os brasileiros e principalmente os adolescentes brasileiros estão entre os que mais passam tempo conectados à Internet, ligados na rede, principalmente nas redes sociais. E se observarmos com cuidado, perceberemos que a maior parte deles dissocia o seu comportamento no mundo real do seu comportamento no mundo virtual. A universidade de Michigan fez um estudo com crianças de 12 anos que mostrou que elas classificam certas ações como certa ou erradas no mundo virtual e fazem uma classificação diferente no mundo real. Um bom exemplo disso é o que acontece com o que muitos deles contam sobre eles mesmos nos seus perfis das redes sociais. Dizer que você é alguém totalmente diferente de quem é na realidade não é considerado mentira. Mas a maioria deles não teria esse mesmo comportamento no mundo real, onde consideram isso mentir ou enganar. E o que dizer de frases e colocações de gosto no mínimo duvidoso, palavrões e outras coisas que eles não diriam no mundo real, mas que não veem problema nenhum em postar no mundo virtual. Armadilhas da rede que eles não conseguem perceber. Isso não é privilégio deles e vale para muitos adultos também. Para os que gostam de dados, aqui vão alguns dados interessantes e preocupantes para vocês:

Edição 2011 do estudo Kids Experts

  • as principais atividades na web para teens são : socialização, ferramentas de comunicação, música.
  • 95% dos adolescentes participam de alguma rede social no Brasil (Facebook, Twitter e Orkut)

Estudo da Safernet no Brasil em 2010envolveu mais de duas mil crianças e adolescentes, de 10 a 17 anos. e apontou que 38% delas têm um amigo que passou por cyberbullying.  

Academia Chinesa de Ciênciaso uso excessivo da internet pode causar graves danos cerebrais em adolescentes, comparáveis aos produzidos pelo consumo de cocaína e álcool.

A Internet hoje é uma ferramenta muito poderosa, que faz parte do dia a dia de todos nós e da vida de nossos adolescentes, mas infelizmente ela esconde muitos perigos, como os que citamos acima.  E hoje em dia um grande perigo da Internet é a Pedofilia. Antes, para que um adulto atacasse sexualmente um menor de idade, era preciso que esse menor estivesse exposto à situações de risco como ficar até tarde na rua, em lugares perigosos, sozinho, longe de qualquer adulto. Hoje o pedófilo tem acesso a qualquer um, em qualquer horário e dentro de nossas casas pela Internet.

Com essa dissociação entre o mundo virtual e o real, parece que a velha regra do mundo real de “Não Fala com Estranhos” não tem valor algum no mundo virtual, como mostra essa pesquisa do Grupo de Combate aos Crimes de divulgação de Pornografia Infanto-juvenil e Racismo na Internet, no Rio de Janeiro,  que revelou que é cada vez mais frequente o número de adolescentes que se encontra com estranhos que conheceram na Internet. E se você ainda não está convencido do perigo da Pedofilia na Internet, leia na íntegra, essa pesquisa da Revista Capricho, que revela entre outros dados assustadores, que 90% das leitoras (de um total de 3500) já conversaram com alguém na Internet que pediu para elas tirarem a roupa em frente à webcam.

Entretanto a Internet está aí para ficar e precisamos ajudar nossos adolescentes a usar essa ferramenta da melhor forma possível porque como disse Paulo: “Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.” 1 Coríntios 10:31

Há um filme recente que vocês podem assistir com eles ou recomendar que eles assistam com seus pais e que é um triste, mas verdadeiro alerta para o perigo da Pedofilia. No filme Confiar (Trust), uma família passa por problemas depois que a filha de 14 anos conhece seu primeiro namorado pela internet. Annie uma jovem de 14 anos conhece um garoto em um bate-papo na internet, e logo se apaixona por ele. O problema é que, na verdade, o garoto é um homem muito mais velho, que a atrai para um encontro e se aproveita sexualmente dela. Veja o trailer aqui:

Relembre-os que quando eles se envolvem em conversas, atividades ou relacionamentos pela Internet com um conteúdo sexual eles  já estão pecando porque o nosso principal órgão sexual é o nosso cérebro. 

Eles precisam entender que:

A Internet é um espaço público como outro qualquer e não tem sentido fazer online o que não se faria na vida real.