O Evangelho, Adolescentes e as Questões do Nosso Tempo (Parte 1)

Foto de Engin Akyurt em Pexels

Foto de Engin Akyurt em Pexels

A evasão de adolescentes e jovens de nossas igrejas é uma triste e inegável realidade. E a situação é ainda mais triste quando nos deparamos com as explicações que as igrejas dão para isso, responsabilizando somente as novas gerações, sem ao menos considerar sua própria responsabilidade sobre essa situação.

Será que as novas gerações estão virando as costas para o Evangelho ou somos nós, como igreja, que não estamos ensinando e vivendo o verdadeiro Evangelho para eles? Estamos realmente pregando o Evangelho que fala do imensurável amor de Deus, que nos constrange a ponto de reconhecermos nossa miserável condição e nos leva a nos entregar nossas vidas a Jesus (Jo 3:16,17)? Ou pregamos o evangelho que julga, condena e exige obediência para que sejamos aceitos por Deus? Esse evangelho apequenado, que deixa de lado o amor de Deus e o perdão, esquece da graça que nos aceita como somos e é essa aceitação amorosa e misericordiosa (Ef 2:6-9) que nos leva a nos entregarmos a Deus e obedecer seus mandamentos.

Nossas igrejas, como família de Deus na terra, precisam ensinar o verdadeiro Evangelho para as novas gerações, amando-as e acolhendo-as como irmãos, pois Deus os adota como filhos por meio de Jesus Cristo (Gl 4:4-7). Não podemos nos esquecer que mesmo antes de sermos adotados como filhos, ou quando ainda éramos pecadores afastados de Deus, ele amou todos nós (Rm5:8). Dessa verdade é que vem a vocação para o amor das comunidades da fé, mas não é essa a percepção que muitos grupos da nossa sociedade, como as novas gerações, tem das igrejas cristãs evangélicas. Somos identificados com tribunais, que julgam e condenam, sem demonstrar o amor de Deus por todos.

Nossos adolescentes e jovens tem questionamentos que deveriam e poderiam ser acolhidos e abordados pelas igrejas. Mas quando nos calamos por não entendermos nossa missão para amar e proclamar, ou por não considerarmos esses assuntos “espirituais”, eles buscam respostas e acolhimento em outras comunidades no mundo real ou virtual.

No meu novo curso, Compreendendo a Cultura Adolescente: Internet, Redes Sociais e Sexualidade, a ideia principal é compreender os pensamentos e as questões de nossos adolescentes diante da cultura do nosso tempo. Só a partir dessa compreensão é que poderemos discutir e responder, a partir de uma perspectiva bíblica, as questões que afligem as novas gerações.

Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus,
os quais não nasceram por descendência natural, nem pela vontade da carne nem pela vontade de algum homem, mas nasceram de Deus.
João 1:12,13

Para mais informações sobre o curso e inscrições acesse o link.

 

 

Precisamos falar de política com as novas gerações de cristãos!

politica-adolescentes

Depois das eleições municipais no último domingo, comecei a observar as manifestações de adolescentes e jovens nas redes sociais. Ainda na noite de domingo, um dos mais populares programas da TV brasileira exibiu uma reportagem sobre os jovens e a política no Brasil. Aqui você pode ler mais sobre isso e aqui pode ver a pesquisa que originou a reportagem. Nossos adolescentes e jovens estão falando, discutindo e respirando política, como poucas vezes vimos nesse país.

Já vinha pensando sobre o assunto num misto de contentamento, porque afinal nossos adolescentes e jovens não são alienados, e preocupação, porque parece haver uma tendência bem clara de doutrinação política. Essa tendência é evidente nesse vídeo do filósofo Luiz Felipe Pondé sobre o impeachment de Dilma Rousseff.

E logo comecei a pensar em como nós, cristãos, estamos ou não estamos discutindo política com nossos adolescentes e jovens à partir de uma perspectiva cristã. Nosso país tem respirado política nesse último ano e nossas igrejas precisam abrir espaço para que jovens e adolescentes possam discutir e aprender sobre o posicionamento do cristão na política. Não estou contrariando a sabedoria popular, que diz que “política, futebol e religião não se discute.” Percebam que não defendo uma discussão partidária, mas sim de ideias e conceitos que se alinhem com o pensamento cristão.

Precisamos mostrar aos nossos adolescentes e jovens que, para nos posicionar nesse cenário, temos que conhecer a Lei de Deus e ter consciência da nossa missão como cristãos no mundo. O cristão pode e deve se envolver nas questões relativas à política e à cidadania.

Um bom começo é conversar com eles sobre cristãos que se engajaram em causas políticas no tempo deles e que foram tão importantes a ponto de terem suas vidas retratadas em livros e filmes: Dietrich Bonhoeffer e William Wilberforce. Bonhoeffer, um pastor na Alemanha nazista foi preso e morto por se opor ao governo. Esse cristão atuou como agente secreto e participou do movimento que tramou o assassinato de Hitler. Além dos livros que ele escreveu, eles podem aprender mais sobre Bonhoeffer no antigo filme, Agente da Graça. William Wilberforce lutou pelo fim da escravidão na Inglaterra no século 19 e sua história é retratada no filme Jornada pela Liberdade.

Também encontramos várias pessoas na Bíblia que se posicionaram diante de governos de acordo com sua fidelidade a Deus: José; Moisés, Neemias, Mardoqueu, Ester, Daniel e seus amigos Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, os profetas do Antigo Testamento, João Batista e Paulo.

Precisamos mostrar aos nossos adolescentes e jovens que, para nos posicionar nesse cenário, temos que conhecer a Lei de Deus e ter consciência da nossa missão como cristãos no mundo. O cristão pode e deve se envolver nas questões relativas à política e à cidadania:

  • Conhecer a Lei de Deus

Há muitos textos sobre isso, mas destacaria como principais: Romanos 13:1-7 e 1 Pedro 2:13-14

  • Conhecer nossa missão como cristãos

Os cristãos não devem ser seres alienados. Não podemos nos esquecer de que somos, acima de tudo, cidadãos do Reino de Deus e não estamos nesse mundo a passeio. Estamos aqui para fazer diferença e falar do amor de Deus e da Salvação em Cristo Jesus. Somos agentes de transformação, mas da transformação que vem de dentro para fora e muda as pessoas.

Para nossa reflexão, cito  trechos de um texto de Robinson Cavalcanti (1944- 2012), que foi bispo anglicano da Diocese do Recife e autor de muitos livros.

Uma questão, porém, nos desafia: o que fazer com a nossa vida entre a conversão e a morte/arrebatamento?… Deveríamos ser — como alguém afirmou — apenas “pré-cadáveres cantantes”? Ou há um mandato cultural entregue pelo Criador à humanidade e recuperado, primeiro, por Israel e, depois, pela Igreja? 

A ação política (cidadã) não deve se limitar ao partidário nem, muito menos, ao eleitoral, mas a uma atitude de responsabilidade, sensibilidade, disponibilidade e intervenção no cotidiano, que é obediência e testemunho. 

“A tarefa da Igreja é uma só: mudar o mundo” Charles Finney