I was born this way, mas a Lady Gaga não!

Assim que ouvi pela primeira vez o hit “I was born this way” de Lady Gaga, me lembrei imediatamente (eu estou chegando nos 50) da canção Gabriela de Dorival Caymmi, inspirada no Romance Gabriela Cravo e Canela de Jorge Amado e que dizia:

Eu nasci assim, eu cresci assim
Eu sou mesmo assim
Vou ser sempre assim
Gabriela, sempre gabriela

Ao escutar mais atentamente a letra, percebi que não tinha quase nada a ver com a velha canção. Mas as duas fotos acima também nos mostram que Lady Gaga, nasceu Stefani Joanne Angelina Germanotta, morena e uma adolescente comum e que agora com seus estranhos implantes faciais, seus cabelos platinados se tornou a “mãe monstro” como ela mesmo se auto-denomina. Portanto, queridos leitores, Lady Gaga não nasceu assim e sua música começa nos enganando desde o começo.

Mas nos enganando por que? É justamente aí que está o problema, a música de Gaga diz que todos devem ser aceitos como são e chega a citar que Deus não comete erros e por isso enganou muitos cristãos. A canção chegou a ser considerada como um hino aos marginalizados por uma teóloga americana num site cristão, por causa desse trecho, que é precedido por outro que diz que não importa sua classe social, raça ou nacionalidade:

Whether life’s disabilities                       (Não importa se os obstáculos da vida)                                                Left you outcast, bullied, or teased    (Te deixaram afastado, assediado ou importunado)
Rejoice and love yourself today           (Alegre-se e ame-se hoje)
‘cause baby you were born this way  (Pois, baby, você nasceu assim)

Então examinem a letra e sua tradução antes de  apontarmos as falhas nesses argumentos que convencem muitos cristãos e provavelmente muitos jovens e adolescentes.

  • Pois Deus não erra (‘cause god makes no mistakes) – Aqui reconheço que é ponto para Lady Gaga, porque Deus não erra mesmo. Tudo o que Deus faz é perfeito e certo. O grande problema são os fatos que ela usa para justificar essa afirmação.
  • Baby, eu nasci assim. Oooh não tem outro jeito (Baby i was born this way. Ooo there ain’t no other way) E nesse trecho que a música fica parecida com aquela da Gabriela e isso não é verdade na vida do cristão. Sabemos que em Cristo podemos ter uma nova vida e que só ele pode dar um outro jeito na vida que levamos. (2 Co 5:17)

Essa é uma ótima desculpa para permanecer no erro e no pecado, pois afinal se nascemos assim e não há outro jeito, que culpa temos. Se acreditarmos nisso, não haverá cura para o alcoólatra que nasce com uma tendência para a dependência química, ou recuperação para um criminoso. Mas vejam que Paulo nos diz em (Rm. 7:15-17) que nascemos assim, com essa inclinação e vontade para o pecado, mas temos em Cristo a solução.

  • Não importa se você é gay, hetero ou bi, lésbica ou se é transexual (No matter gay, straight, or bi, lesbian, transgendered life) – Para Lady Gaga não importa porque segundo ela “você nasceu assim”. Mas nem a Bíblia nem a ciência dizem isso. A Bíblia diz em Gn 1:27 que Deus criou homem e mulher e nenhum outro gênero sexual. Além disso, a ciência ainda não conseguiu descobrir um gene que possa causar a homossexualidade e isso é dito pelo famoso pesquisador da área de genoma,  Simon LeVay que é um ativista gay.
Acho que já temos muito assunto para conversar sobre o hit da Lady Gaga, não é? Mas ainda preciso explicar o título do post. Ontem estava criando um álbum no meu Face chamado “I was born this way” e vi que só os anos me castigaram um pouco, mas que eu continuo como nasci, original de fábrica. Podem conferir nas fotos abaixo:
Anúncios

E o Neymar vai ser Papai…

Confesso que estava escrevendo sobre outro assunto (fica para o próximo post) quando vi a notícia sobre o Neymar ser pai ainda esse ano. Então pensei, preciso falar disso, ele é um dos ídolos dos nossos adolescentes. Que adolescente não gostaria de ser o Neymar: jovem, famoso, rico, jogador de futebol, o garoto do sonho de uma multidão de adolescentes brasileiras? E que adolescente brasileira não gostaria de namorar alguém como o Neymar, pelos mesmos motivos já citados?

Hoje pela manhã ao ler o Estado de São Paulo, mais uma surpresa, “consta que a futura mãe seria uma jovem de 17 anos que, como Neymar, assiste aos cultos de uma igreja Pentecostal em São Vicente” . Parece que a coisa fica cada vez melhor. Além de um ídolo nacional de nossos adolescentes, o garoto ainda é crente! É, meus leitores, é nesse mundo, que nossos adolescentes e pré-adolescentes vivem. É nesse mundo com tantos ruídos, onde a cultura através de todas as mídias grita mensagens totalmente diferentes da mensagem do Evangelho, que nossos filhos, nossos adolescentes precisam escutar a voz de Deus. Desanimador? Eu convido vocês a olhar para isso como desafiador! Não vou negar que a tarefa é dificílima, mas quero lembrá-los que temos um poderoso aliado, como Jesus nos explica em João 17 e resume isso no v. 15: “Não rogo que os tires do mundo, mas que os protejas do Maligno.”

No meu devocional dessa manhã, que recebo todos os dias por e-mail, o versículo não podia ser mais adequado a tudo o que Deus vinha trabalhando em meu coração desde ontem. Vejam: “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” Romanos 12:2 . Não sei porque ainda me surpreendo ao ver que Deus sabe do que preciso se estou em sintonia com ele. Estava inconformada com os comentários sobre o Neymar, do tipo: “pelo menos ele vai assumir o filho, uma atitude digna”, “nisso já está mostrando que é melhor que o Pelé”, “não sei porque tanto barulho, afinal, ele tem 19 anos e ela 17 e terem um relacionamento sexual é normal” e coisas semelhantes. Não quero que o garoto seja apedrejado, mas ele também não pode virar herói ou ganhar o título de Papai de 2011.

Como é fácil nos amoldarmos ao padrão do mundo, pois os ruídos são tantos que fica difícil ouvir a voz de Deus e o que ele quer para nossas vidas. Ainda mais para os nossos adolescentes multitarefa que ao mesmo tempo em que fazem as tarefas da escola estão online no Facebook, no Twitter, assistem à MTV, conversam no MSN com n pessoas, mandam torpedos no celular e recebem informações de todo canto do planeta. Nesse devocional que lhes falei antes, Jim Leibelt diz que as disciplinas de buscar a Deus diariamente através da oração, da leitura da Bíblia e da aplicação da Palavra de Deus em nossas vidas funcionam como aqueles fones eliminadores de ruídos. Essas disciplinas eliminam esses ruídos externos e nos fazem ouvir a voz de Deus.

Bonito, não é? Mas como fazer isso acontecer na vida de nossos adolescentes? Como colocar em prática isso? Como tornar interessante para eles essas disciplinas?

A grande pergunta que deixo para vocês hoje é:

Como podemos ajudar nossos pré-adolescentes e adolescentes a ouvirem a voz de Deus num mundo tão cheio de ruídos contrários aos princípios cristãos?  

E a grande dica é:

Por que não usar os meios de comunicação que eles mais gostam para fazer isso?

Até o próximo post.

É Carnaval no Brasil mais uma vez

Chegou o tão esperado Carnaval no Brasil. Segundo nossa tradição só depois da próxima quarta-feira, dia 9 de março, é que nosso país começa a funcionar. Um grande feriado, a maior festa popular do país, um dos maiores espetáculos do mundo, enfim, chame do que você quiser, o Carnaval brasileiro é tradição, assim como é tradição as igrejas cristãs evangélicas ou não promoverem retiros de Carnaval.

Não vou usar esse espaço para falar sobre o significado do Carnaval, pois há várias boas fontes disponíveis para isso, inclusive na Internet e porque quero refletir e convidá-los a refletir comigo sobre o que isso representa para as novas gerações, as gerações que podem mudar o mundo.

Numa rápida busca no Google sobre Carnaval e adolescentes e jovens, praticamente só encontrei links falando de retiros de Carnaval de norte a sul do país. Como líder dessa faixa etária e mãe acho a iniciativa das nossas igrejas excelente e sempre estive envolvida nesses Acampamentos, como líder, voluntária ou mãe de acampantes. É bom saber que nossos adolescentes e jovens não estão envolvidos com os temidos bailes de Carnaval, blocos, bebedeiras, sexo casual, drogas e outras coisas parecidas que acontecem nesses dias de folia.

Mas, pensando bem… isso tudo só acontece no Carnaval? Infelizmente, não. Talvez o título desse artigo devesse ser: Brasil, o país do Carnaval. Vivemos a cultura do Carnaval nos 365 dias do ano. Basta olhar o nosso dia a dia, as baladas, raves, festas, barzinhos que essa moçada frequenta semanalmente para perceber que vivemos o Carnaval o ano inteiro. Nos 4 dias do Carnaval, tudo fica mais exposto pela grande cobertura da mídia, pelo feriado nacional e pela tradição, mas a cultura do Carnaval permeia nosso dia a dia.

Nossos retiros ou Acampamentos de Carnaval precisam criar bases sólidas nessa geração para que eles possam levar uma vida séria com Deus nos outros 361 dias do ano de Carnaval. Não podemos nos enganar, pois vivemos tempos como os que viviam os cristãos de Corinto. Os capítulos 6 e 7 da carta de Paulo aos Coríntios não poderiam ser mais atuais. Os programas de TV como as novelas e reality shows do tipo BBB não nos deixam esquecer disso, mas esse já é um assunto para outro post, não é?

Portanto, líderes de ministérios e pais de adolescentes e jovens: o Carnaval 2011 está apenas começando para nós e vai durar 1 ano. Preparem-se com muito joelho no chão, amor e a Palavra de Deus.

Cinema, pipoca e o papo vai rolar

Nessa seção do blog quero dar dicas de filmes para líderes e pais de adolescentes (garotada na faixa de 11 à 17 anos) que possam além de diversão, gerar bons papos, reflexões e serem analisados de um ponto de vista cristão. Também vou postar algumas críticas ou comentários sobre filmes atuais para essas faixas etárias.

Vou começar com dois filmes muito legais feitos para essa moçada e que no Brasil não foram lançados nos cinemas e sairam direto em DVD.

DIÁRIO DE UM BANANA (Diary of a Wimpy Kid) – Essa é uma dica de filme para os pré-adolescentes. Apesar da tradução pouco feliz do título, o trailer do filme com certeza vai atrair a galera dessa faixa etária que passa por essa fase turbulenta entre a infância e adolescência e tem que lidar com os mesmos tipos de problemas que o Greg lida, principalmente na escola. O filme vai render boas risadas e pode dar início à conversas sobre amizade, lealdade e fazer escolhas certas.

A MENTIRA(Easy A) – Essa é uma dica de filme para os adolescentes. Olive, uma adolescente, mente para a melhor amiga que não é mais virgem, apenas para se tornar mais popular entre as garotas. Mas a mentira toma proporções que ela jamais poderia imaginar. Muito pesado para você? Sim, o tema é da pesada, mas bem próximo da realidade. Esse filme tratar de temas importantes como mentira, relacionamento com os pais, bullying, sexualidade na adolescência, homossexualidade e hipocrisia dos cristãos, mas muitos sites cristãos americanos de críticas sobre fimes não recomendam que adolescentes cristãos assistam ao filme.
Minha teoria é de que, se vivemos num mundo saturado de limões podemos e devemos fazer uma limonada. Em outros termos, vamos aproveitar os elementos ruins espalhados na cultura e usá-los a nosso favor para mostrar os valores em que cremos. Pois quer queiramos ou não, é nesse mundo que nossos adolescentes vivem e essa é uma excelente oportunidade para pegarmos a onda da cultura e aproveitar para dizer o que a Bíblia fala sobre isso. Não podemos fechar os olhos para essa cruel realidade, mas precisamos ajudá-los a viver como cristãos nesse mundo. E nada melhor do que um filme, uma pipoca e um bom papo para isso.  Mas a decisão final é sua, então meu conselho é: assista ao filme antes e decida se vale à pena assistir com seu grupo de adolescentes ou com seus filhos.

E bom filme para todos.

Sem Negociação

Todos aqueles que trabalham com as faixas etárias de 11 à 17 anos e com jovens na igreja hoje sabem a luta que temos que enfrentar para ensinar a eles o que a Palavra de Deus diz sobre o sexo. Eles são expostos cada vez mais precocemente à uma sensualidade vulgar e banal. Não tem tempo nem para conhecer sua própria sexualidade e a dádiva que o sexo é para um casal que vive sob as bênçãos de Deus.

Por isso tudo, ensinar à eles os fundamentos básicos sobre o sexo é inegociável. Não se pode abrir brechas ou margens para negociação, por mais que vivamos num mundo onde o sexo permeia tudo. Quando falo aos pré-adolescentes e adolescentes, começo com 3 premissas básicas sobre o sexo:

  • Sexo foi criado por Deus e é bom, pois tudo o que Deus criou é bom. (1 Tm 4:4)
  • Sexo foi criado para ser feito entre um homem e uma mulher. (Gn 1:27:28)
  • Sexo foi criado para ser feito no casamento.  (Gn 2:24)

Tudo o que sair disso, foge dos planos de Deus e isso tem um nome: pecado. Não quero aqui ser hipócrita e dizer que adolescentes e jovens cristãos não estão fazendo sexo fora do casamento. Sim, sabemos que muitos deles estão envolvidos em práticas sexuais e isso tem um nome: pecado. Não é por isso que vamos começar a instruí-los a como pecar sem que o seu pecado tenha grandes conseqüências. Rasgando o verbo, para mim é inadmissível que ensinemos aos nossos adolescentes e jovens métodos para prevenir uma gravidez indesejada ou doenças sexualmente transmissíveis que não seja a abstinência sexual fora do casamento.

E você vai me dizer: “Ana, mas todo mundo está transando?” E eu lhe respondo com as palavras do apóstolo Paulo na carta aos Romanos:  “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” Romanos 12:2

Queridos, temos que fazer diferença, temos que ser diferentes ou não merecemos ser chamados de cristãos. Não somos alienados. Sabemos de tudo o que acontece, estamos vivendo nesse mundo, mas NÃO PODEMOS NOS AMOLDAR AO PADRÃO DESSE MUNDO.

Essa semana fiquei estarrecida ao ver um grande homem de Deus dizer isso de púlpito e mais estarrecida ainda ao ver lideres de adolescentes e jovens de renome nacional recomendando essa pregação. Vamos voltar à Palavra sem negociação!