E os Adolescentes cairam na Rede…

Os brasileiros e principalmente os adolescentes brasileiros estão entre os que mais passam tempo conectados à Internet, ligados na rede, principalmente nas redes sociais. E se observarmos com cuidado, perceberemos que a maior parte deles dissocia o seu comportamento no mundo real do seu comportamento no mundo virtual. A universidade de Michigan fez um estudo com crianças de 12 anos que mostrou que elas classificam certas ações como certa ou erradas no mundo virtual e fazem uma classificação diferente no mundo real. Um bom exemplo disso é o que acontece com o que muitos deles contam sobre eles mesmos nos seus perfis das redes sociais. Dizer que você é alguém totalmente diferente de quem é na realidade não é considerado mentira. Mas a maioria deles não teria esse mesmo comportamento no mundo real, onde consideram isso mentir ou enganar. E o que dizer de frases e colocações de gosto no mínimo duvidoso, palavrões e outras coisas que eles não diriam no mundo real, mas que não veem problema nenhum em postar no mundo virtual. Armadilhas da rede que eles não conseguem perceber. Isso não é privilégio deles e vale para muitos adultos também. Para os que gostam de dados, aqui vão alguns dados interessantes e preocupantes para vocês:

Edição 2011 do estudo Kids Experts

  • as principais atividades na web para teens são : socialização, ferramentas de comunicação, música.
  • 95% dos adolescentes participam de alguma rede social no Brasil (Facebook, Twitter e Orkut)

Estudo da Safernet no Brasil em 2010envolveu mais de duas mil crianças e adolescentes, de 10 a 17 anos. e apontou que 38% delas têm um amigo que passou por cyberbullying.  

Academia Chinesa de Ciênciaso uso excessivo da internet pode causar graves danos cerebrais em adolescentes, comparáveis aos produzidos pelo consumo de cocaína e álcool.

A Internet hoje é uma ferramenta muito poderosa, que faz parte do dia a dia de todos nós e da vida de nossos adolescentes, mas infelizmente ela esconde muitos perigos, como os que citamos acima.  E hoje em dia um grande perigo da Internet é a Pedofilia. Antes, para que um adulto atacasse sexualmente um menor de idade, era preciso que esse menor estivesse exposto à situações de risco como ficar até tarde na rua, em lugares perigosos, sozinho, longe de qualquer adulto. Hoje o pedófilo tem acesso a qualquer um, em qualquer horário e dentro de nossas casas pela Internet.

Com essa dissociação entre o mundo virtual e o real, parece que a velha regra do mundo real de “Não Fala com Estranhos” não tem valor algum no mundo virtual, como mostra essa pesquisa do Grupo de Combate aos Crimes de divulgação de Pornografia Infanto-juvenil e Racismo na Internet, no Rio de Janeiro,  que revelou que é cada vez mais frequente o número de adolescentes que se encontra com estranhos que conheceram na Internet. E se você ainda não está convencido do perigo da Pedofilia na Internet, leia na íntegra, essa pesquisa da Revista Capricho, que revela entre outros dados assustadores, que 90% das leitoras (de um total de 3500) já conversaram com alguém na Internet que pediu para elas tirarem a roupa em frente à webcam.

Entretanto a Internet está aí para ficar e precisamos ajudar nossos adolescentes a usar essa ferramenta da melhor forma possível porque como disse Paulo: “Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.” 1 Coríntios 10:31

Há um filme recente que vocês podem assistir com eles ou recomendar que eles assistam com seus pais e que é um triste, mas verdadeiro alerta para o perigo da Pedofilia. No filme Confiar (Trust), uma família passa por problemas depois que a filha de 14 anos conhece seu primeiro namorado pela internet. Annie uma jovem de 14 anos conhece um garoto em um bate-papo na internet, e logo se apaixona por ele. O problema é que, na verdade, o garoto é um homem muito mais velho, que a atrai para um encontro e se aproveita sexualmente dela. Veja o trailer aqui:

Relembre-os que quando eles se envolvem em conversas, atividades ou relacionamentos pela Internet com um conteúdo sexual eles  já estão pecando porque o nosso principal órgão sexual é o nosso cérebro. 

Eles precisam entender que:

A Internet é um espaço público como outro qualquer e não tem sentido fazer online o que não se faria na vida real.


Anúncios

É Namoro ou Casamento?

Na terça-feira, dia 15 de maio, o ótimo programa “Profissão Repórter” abordou o tema: Casais Adolescentes: Como as Famílias Estão Lidando com a Sexualidade dos Jovens. O conteúdo mostrado daria uma série de posts e não apenas um, mas ao acessar o site dessa edição do dia 15 para rever  programa, o título imediatamente direcionou o assunto desse post.

Aviso: Assista ao programa antes de continuar lendo o post.

Dos mais diversos pontos de vista, há vários motivos para se pensar que alguma coisa está errada nesse título: Casais adolescentes têm vida de casados na casa dos pais. Ou não há? Do ponto de vista da sabedoria popular, há muito se diz que: Quem Casa Quer Casa, título de uma comédia escrita por Martins Fontes em 1845! E do ponto de vista do bom senso, vida de casados só no final de semana,  sem responsabilidades, sem despesas, sem roupa suja para lavar, sem super mercado para fazer é muita folga! Será que é por isso que  hoje encontramos adolescentes de 35 anos, que não querem assumir nenhum compromisso? Em sua coluna no jornal A Folha de São Paulo, a psicóloga Rosely Sayão, fala dessa falta de maturidade dos nossos jovens num texto intitulado Maduros Até a Página DoisEm um trecho desse texto, Rosely diz: “Nossos jovens precisam de nós, adultos. Precisam de nossa ajuda para amadurecer, para encontrar coragem na busca de boas soluções para seus problemas, para enfrentar um mundo que começam a descobrir com seu próprio olhar, para enfrentar as vicissitudes da vida. Só seremos boa companhia para eles nessa jornada se tivermos paciência para dialogar, conflitar, bancar junto a eles o lugar que logo ocuparão: o de adultos maduros que fazem escolhas e arcam com as consequências delas.”

E vejam que ainda nem citei o que a Bíblia, a base para os cristãos, tem a dizer sobre isso. E essa moda de ter “vida de casados na casa dos pais” vai contra o que a Bíblia nos ensina em seus primeiros capítulos: “Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne.” Gênesis 2:24 . É preciso mais versículos ou esse já dá o assunto por encerrado? Ao assistir ao programa não pude deixar de pensar no pouco valor que se dá hoje ao casamento, na fragilidade das relações que deveriam ser eternas e nos jovens casais casados que se separam diante da primeira dificuldade. Qual é o limite entre namoro e casamento? Por que ter um casamento tempo integral se podemos ter um casamento de final de semana? Dá para entender a confusão na cabeça dessas novas gerações.

Se você tem algum tempo de ministério ou de convívio com adolescentes sabe muito bem que quanto maior o envolvimento deles no namoro, maiores serão as consequências, as feridas e os estragos quando esse namoro acabar. E não precisamos de nenhuma estatística para saber que os namoros adolescentes dificilmente chegam até o casamento. Na semana passada chegou até mim o caso de uma garota de 15 anos, que após o término de um namoro desse tipo “cama, mesa e banho”, tentou tirar a própria vida por 3 vezes.

É por isso que não dá para entender a postura dos pais que não sabem mais ser pais. Os pais que cedem à toda e qualquer pressão dos filhos em nome do amor que sentem por eles, sem perceber que com isso deixam seus filhos totalmente expostos à situações que eles não tem maturidade para encarar. Ao mesmo tempo eles impedem que seus filhos cresçam e se desenvolvam como adultos responsáveis e maduros. Há também os pais que oferecem todo o conforto que podem, como cama de casal e suíte, para que seus filhos não se sintam deslocados no contexto atual, criando os “adultescentes” que podem se acomodar e não aprenderem a andar sozinhos antes dos 40 anos.

Concluindo, o que mais me chamou a atenção na reportagem foi o quanto os pais estão perdidos e sem referências e quanto nós, igreja e líderes cristãos estamos deixando de agir como parceiros desses pais. Pois, como citei antes, até mesmo vozes do mundo secular se levantam e falam para ajudar esses pais confusos nessa tarefa de educar seus filhos. Mas nós cristãos, que deveríamos ser os primeiros a nos posicionar, a ensinar e instruir para fazer diferença, nos omitimos.

Por isso termino esse post com perguntas para:

Líderes: O que você, seu ministério ou sua igreja tem feito para trabalhar em parceria com as famílias dos adolescentes? 

e para Pais: O que vocês tem cobrado de apoio de sua igreja para a difícil tarefa de educar seus filhos adolescentes nos caminhos de Deus? Sua igreja tem investido no Ministério de Adolescentes, no Líder ou Pastor de Adolescentes?