Por que você deve assistir “Merlí”?

Merli-NetflixSe você nunca ouviu falar dessa série da Netflix não se sinta tão por fora. Infelizmente nossa mídia dá muita atenção para séries norte-americanas, como “13 Reasons Why”, e pouca atenção para séries europeias. Nada contra “13 Reasons Why”, até porque acho que todos que trabalham com adolescentes e pais de adolescentes devem assistir. Mas há muitas coisas interessantes como “Merlí”.

A série foi assunto do Caderno Cultura do O Estado de São Paulo e da Folha de São Paulo também. Ela conta a história de Merlí, um professor de filosofia, e o impacto que ele causa na escola e nos seus alunos do ensino médio e é uma série espanhola toda falada em catalão. Ainda estou assistindo a primeira temporada (são 3 temporadas até agora), mas a série me cativou tanto que tive que compartilhar aqui e explico porque você deve assistir também:

  1. Ela fala de adolescentes muito mais reais do que as séries mais populares e até do que a entediante Malhação. É interessante observar as relações entre eles, com seus pais e com seus professores.
  2. Ela fala da influência que Merli começa a ter sobre seus alunos, apesar da grande diferença de idade entre eles. Não quero dar nenhum spoiler aqui, mas Merli conquista seus alunos porque entende a cultura deles e sabe como estabelecer vínculos com eles. Conhecemos muitos professores assim, mas o que isso pode ensinar para os adultos que trabalham com eles nas igrejas? Por que não estamos mais influenciando nossos adolescentes nas igrejas?
  3. Merlí tem uma noção de ética muito complicada e que beira o mau-caratismo. A ideia de que não há certou ou errado é extremamente nociva para cérebros em desenvolvimento. Com certeza ele não é exemplo para ninguém, muito menos para os adolescentes. Mas quantas pessoas, como professores, técnicos, influenciadores digitais no Instagram e no Youtube, estão influenciando nossos adolescentes com ideias semelhantes? E o que os adultos da comunidade da fé podem fazer?
  4. Apesar de todos esses graves defeitos, Merlí que quer que seus alunos aprendam a pensar por si mesmos. Para ele os fins justificam os meios e acaba incentivando seus adolescentes a contestarem os valores e ideias dos pais. Queremos que nossos adolescentes pensem por si mesmos e desenvolvam uma fé cristã deles. Como fazer isso sem que eles acabem contestando a fé dos pais?
  5. A série não se aprofunda muito na filosofia,mas nos ajuda a pensar em como a filosofia pode perpassar todas as áreas da nossa vida.

Claro que não concordo com tudo o que a série traz, mas creio que ela pode ser uma grande oportunidade para refletirmos sobre os adolescentes, sua cultura e como podemos nos relacionar com eles para acolhe-los na comunidade da fé. Talvez esse post lhe traga muitas perguntas e poucas respostas e é essa a ideia.

Observe, reflita, repense e planeje como você pode se conectar melhor com seus adolescentes.

22 Para com os fracos tornei-me fraco, para ganhar os fracos. Tornei-me tudo para com todos, para de alguma forma salvar alguns.

1 Coríntios 9:22

Anúncios

Série: Adolescentes e as Redes Sociais Família e as Redes Sociais

As influências negativas das más companhias são conhecidas há muito tempo e a Bíblia nos traz textos que falam sobre isso (Provérbios 13:20; 1 Coríntios 15:33). Quando pensamos nas más companhias hoje, precisamos lembrar que esse universo se expandiu exponencialmente com a Internet, redes sociais e jogos online. Afinal, com quem ou com o quê nossos adolescentes passam a maior parte do seu tempo?

Se nossos filhos estão passando mais tempo online do que offline, também é inegável que nossa cultura está esquecendo o que é estar junto como família. Embora possamos culpar as múltiplas atribuições dos pais e filhos por isso, as telinhas de nossos smartphones são fatores quase que determinantes para isso.

O convívio com a tecnologia se tornou tão absurdo que aquilo que era atípico, virou normal, como filhos em seus quartos mandando mensagens de texto pela Internet para os pais que estão na sala. Isso pode parecer interação, mas não é uma interação real.

Thakkar's texting aroud their children

Rakesh Thakkar e Sharmila Rao Thakkar participaram de um teste informal para medir a interação verbal com seus filhos Anika (5) e Shiv (2) com e sem smartphones e  laptops. Foto de Michelle Litvin para The New York Times, 2010.

Em uma cultura fragmentada como a nossa, crianças e adolescentes tem cada vez menos tempo de contato com adultos e não aprendem as regras e normas da sociedade. As redes sociais acabam piorando esse quadro porque através delas crianças e adolescentes estão aprendendo sobre interações sociais interpessoais sem a oportunidade de ter a influência das interações reais com adultos.

Adolescentes acabam sofrendo influência somente de outros adolescentes para determinar valores e praticas aceitos socialmente. Os pais ficam reduzidos ao papel de policiamento dos filhos. Essa diferença de valores, regras e normas aumenta a separação e fragmentação entre faixas etárias. Adolescentes formam microculturas que excluem os pais. Os pais precisam se tornar missionários nessas microculturas para entender e se engajar no mundo dos adolescentes.

A pesquisadora do MIT, Dra. Sherry Turkle, diz que “A tecnologia entra na vida de uma pessoa de uma forma negativa quando as relações pessoais não ocupam seu devido lugar”. E é isso que está acontecendo nas famílias por parte dos pais e por parte dos filhos. Ou não conhecemos pais que não desgrudam os olhos do celular?

Não podemos deixar que a tecnologia afaste as gerações e para isso as interações no mundo real precisam ser mais intencionais, graciosas e compreensivas.

Nosso foco tem que estar nas pessoas e a tecnologia digital deve ser mais uma ferramenta para a interação real.

Dicas

Participe – Muitos pais criticam as redes sociais, mas poucos estão dispostos a participar delas com o objetivo de interagir com seus filhos e não de vigiá-los. Precisamos entender a importância de participar com eles. Só assim poderemos ajudá-los a começar a formar um olhar crítico sobre essas coisas.

Dialogue – Conversas reais são muito importantes. Eles precisam ouvir como nós articulamos nossos pensamentos para que comecem a aprender a articular os deles. Assim eles não serão consumidores passivos de qualquer tipo de mídia. Eles aprenderão a questionar o que veem ou ouvem nas redes sociais.

Seja o exemplo – Não limite o tempo online apenas dos seus filhos. Limite o seu próprio tempo nas redes. Nossos filhos aprendem muito mais pelo nosso exemplo do que pelas nossas palavras.    

O nosso objetivo é ter um bom relacionamento com nossos filhos. A Internet, redes sociais e outras mídias permeiam nossas vidas e relacionamentos, mas não podem substituí-los.

Que a tecnologia não seja um divisor nas nossas famílias, mas uma plataforma onde a família pode se conectar e se beneficiar.

8Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas.

Filipenses 4:8

QUER SABER MAIS SOBRE REDES SOCIAIS E FAMÍLIA? 

Seguem alguns links que ajudarão você:

 

Série: O Que Eles Tem na Cabeça? Sexualidade e Identidade

Beijo namoro

Imagem cortesia de stockimages em FreeDigitalPhotos.net

Por razões que vão desde a alimentação até o contexto sociocultural, é fato que crianças estão amadurecendo sexualmente cada vez mais cedo. Isso pode ser observado principalmente nas meninas e também sabemos que o cérebro não está madurecendo com a mesma rapidez. Pelo contrário, o cérebro está demorando cada vez mais para passar por esse processo do desenvolvimento.

É por isso que o envolvimento físico e sexual precoce pode ser muito bom e prazeroso para o corpo, mas muito ruim para cabeça. Em seu livro “Cérebro Adolescente: o Grande Potencial, a Coragem e a Criatividade da Mente dos 12 aos 24 Anos”, o Dr. Daniel Siegel faz um alerta aos adolescentes quando diz que se envolver sexualmente fora do contexto de uma relação confiável pode ter complicações consideráveis. Ele explica que relações sexuais provocam a secreção de oxitocina, um hormônio que intensifica os sentimentos.

Diante disso podemos entender porque garotos e garotas lidam tão mal quando esses relacionamentos precoces se intensificam ou acabam. Nos garotos isso pode intensificar o ciúme e agressão enquanto que nas garotas intensifica o apego e a obsessão romântica. Não é por acaso que observamos desequilíbrios emocionais como o aumento de reações violentas em garotos e depressão em garotas.

Há ainda outro fator importante. Os adolescentes estão construindo sua identidade pessoal. Na realidade esse é um dos processos principais dessa fase. Eles precisam descobrir quem são e isso vai afetar todas as áreas de suas vidas. Quando eles se envolvem intensamente num relacionamento romântico e sexual, eles podem deixar de se desenvolver positivamente e individualmente para manter esse relacionamento. Uma ruptura do relacionamento pode trazer consequências trágicas com comportamentos de risco como envolvimento com álcool, drogas, depressão e até suicídio.

Então o que Jesus disse para as multidões na Judéia faz sentido para nós(Mateus 19:4-6):

“Vocês não leram que, no princípio, o Criador ‘os fez homem e mulher’e disse: ‘Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne’?Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, ninguém o separe”.

Essa fala de Jesus nos mostra claramente que a união no sexo não apenas física. Ela tem implicações sentimentais, mentais e espirituais!

O Dr. Daniel Siegel é um cientista não religioso e suas pesquisas acabam comprovando o que a Escritura já dizia há milhares de anos atrás. Ele diz que uma adolescente de quase 20 anos deu uma sugestão para esse capítulo do seu livro: “Diga ao seu leitor para não se comprometer muito cedo. Se for para dar certo, dará.”

Aquele que tem ouvidos, ouça! Mateus 11:15

Série: O Que Eles Tem na Cabeça? Adolescentes precisam dos Adultos

livro dr siegel

Sei que podemos olhar para nossos pré-adolescentes e adolescentes e rapidamente dizer que eles estão cada vez mais se afastando dos adultos. Mas por que será que isso acontece? Qual é a parte dos adultos nessa dinâmica? E isso tem a ver com o desenvolvimento cerebral deles?

A adolescência é uma fase incrível de expansão dos limites. A principal tarefa da adolescência é a INDIVIDUAÇÃO.  Dr. Chap Clark em seu livro “Hurt:2.0” (ainda sem tradução para o português)  define muito bem esse processo.

“Adolescência é uma busca psicossocial independente por uma identidade única ou por uma separação… com o objetivo final de ter um certo conhecimento de quem você é em relação aos outros, uma disposição para se responsabilizar pela pessoa que você está se tornando e a percepção de ter um compromisso para viver em comunhão com os outros.”

 Para que o adolescente se torne um indivíduo que caminha para a fase adulta ele busca sua identidade, sua autonomia e um sentimento de pertencer. E para que isso aconteça o cérebro adolescente passa por mudanças drásticas, que podem ser tanto uma excelente oportunidade de crescimento e desenvolvimento quanto uma crise com dimensões trágicas.

 

cérebro em construção O cérebro do adolescente está “em construção” e córtex pré-frontal que tem a responsabilidade de integrar as funções cerebrais tem suas funções temporariamente prejudicadas. O equilíbrio das emoções, planejamento do futuro, a percepção do contexto e a empatia estão comprometidos. Quando analisamos isso fica mais fácil entender a rebeldia, comportamentos de risco e alterações súbitas de humor que caracterizam a adolescência. E em sua maioria os adultos, tão necessários nessa fase, não entendem isso, rotulam os adolescentes ou “aborrescentes” e colocam barreiras entre eles e os adolescentes.

A verdade é que não foram os adolescentes que viraram as costas para os adultos de forma arrogante. Eles foram praticamente “abandonados” pelos adultos que não conseguem entender o que acontece nessa complexa fase do desenvolvimento humano.  Em seu livro Cérebro Adolescente: o Grande Potencial, a Coragem e a Criatividade da Mente dos 12 aos 24 Anos, o Dr. Daniel Siegel destaca em vários trechos a importância dos adultos no desenvolvimento do adolescente. Adolescentes precisam de referenciais e de mentores adultos para que possam se desenvolver de maneira positiva. Quero destacar aqui um trecho do livro:

“Os adolescentes acham que precisam mais uns dos outros do que precisam dos adultos. Adolescentes são nosso futuro e é por meio da coragem deles e de seus esforços às vezes exagerados, mas criativos, de “não ser como todo mundo”, que nossa espécie vem se adaptando. Se quisermos sobreviver nesse planeta frágil e magnífico vamos precisar de toda a ingenuidade da mente rebelada adolescente para encontrar soluções para os graves problemas que a nossa geração adulta e as anteriores criaram.” 

Convido você a ler o texto acima pensando na igreja e nos adolescentes. Também quero lembrar de adolescentes usados por Deus, como Davi (1 Samuel 17:17-50), Daniel (Daniel 1) e Maria (Lucas 1: 26-55).

O Que Eles Tem na Cabeça?

o-cerebro-adolescente

“O que eles tem na cabeça?” Essa é a pergunta que pais, líderes e educadores fazem quando se deparam com comportamentos desconcertantes e incompreensíveis dos adolescentes. Lembro-me da adolescência dos meus filhos e dos meus pensamentos na época. Onde foi parar aquela criança tão alegre, bem comportada e carinhosa que morava nessa casa? Quem é esse rebelde e mal humorado que ocupou o seu lugar?

Durante muito tempo essas mudanças da adolescência foram atribuídas somente à ebulição hormonal também característica dessa fase do desenvolvimento humano. Hoje sabemos que as mudanças fisiológicas que ocorrem no cérebro do adolescente são as principais responsáveis por esse novo e intempestivo comportamento deles. São tantas mudanças que eles mesmos não conseguem explicar seus sentimentos e comportamentos. E por total desconhecimento e muito amor por nossos adolescentes acabamos tornando essa fase ainda mais difícil para eles.

Esse livro da Dra. Frances E. Jensen nos ajuda a entender um pouco as inúmeras mudanças que acontecem no cérebro deles. O livro tem alguns capítulos que se aprofundam muito na área da neurociência cerebral e a leitura pode ser um pouco difícil para leigos no assunto. Em contra partida, há capítulos muito práticos sobre o comportamento do adolescente. Com o cérebro atravessando uma grande transformação, os adolescentes estão mais suscetíveis a comportamento de riscos, a vícios, estresse e escolhas que irão impactar negativamente toda a sua vida. E mais do que na infância, eles precisam de limites, do nosso amor, cuidados e aceitação. Mas como podemos agir assim com adolescentes que parecem querer um distanciamento maior dos adultos? Não é tarefa fácil, mas também não é impossível.

Recomendo a leitura do livro para todos aqueles que querem aprender como lidar melhor com essa importante fase do desenvolvimento humano. É incrível perceber que muitas coisas que hoje a neurociência explica estão na Palavra de Deus. Estabelecer limites, ensinar e ter um cuidado maior com os mais jovens são cruciais para o desenvolvimento do adolescente.

Esse post é o primeiro da série “O que eles tem na cabeça?”. Durante as próximas semanas iremos abordar esse assunto nesse blog. Fique ligado e acompanhe! Você pode se inscrever para receber avisos sobre os novos posts clicando no botão laranja no canto superior direito dessa página.

 Ouça, meu filho, a instrução de seu pai e não despreze o ensino de sua mãe. Provérbios 1:8

 

A história por trás das vitórias e derrotas de Michael Phelps

Phelps Reuters

© Reuters

Estamos assistindo a várias histórias de superação nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Muitos atletas enfrentaram derrotas, lesões, preconceitos e muito treinamento para disputarem essa Olimpíada.

E o maior medalhista olímpico da era moderna não é uma exceção. O fenômeno Michael Phelps, que até o momento em que escrevo esse post, já havia ganhado 25 medalhas olímpicas em 5 edições dos jogos. Com apenas 15 anos ele participou das Olimpíadas de Sidney em 2000 sem ganhar medalhas.

Para chegar até aqui, Phelps passou por momentos gloriosos, como quando ganhou 8 medalhas de ouro em uma única edição, nos Jogos de Pequim, na China em 2008. Outro momento importantíssimo de sua carreira ocorreu nos Jogos Olímpicos de 2012 em Londres, ao tornar-se o primeiro nadador do mundo a conquistar o titulo olímpico, três vezes consecutivas na mesma especialidade a nível individual (200m medley). Entretanto desde o final das Olimpíadas de 2008, o nadador vinha enfrentando problemas com drogas, álcool e problemas de relacionamento com seu pai. Seus pais se separaram quando ele tinha apenas 9 anos.

O nadador anunciou sua aposentadoria depois dos Jogos de Londres em 2012. Abandonou os esportes e sua vida perdeu o rumo. Seus problemas com o álcool continuaram e ele chegou a ser preso por dirigir embriagado. Deprimido, chegou a pensar em suicídio. Mas seu amigo Ray Lewis, ex-jogador de futebol americano do Baltimore Ravens, e pessoas da família conseguiram convencê-lo a se internar numa clinica de reabilitação em 2014. No período de internação, Phelps leu Uma Vida com Propósito de Rick Warren, livro que ganhou de seu amigo Lewis. Essa história é contada num documentário exibido pela ESPN Brasil. Clique aqui para assistir esse documentário de 16 minutos ou assista no site da ESPN Brasil. Se você é um líder de adolescentes, aproveite esse vídeo e assista com sua turma para iniciar um bom bate-papo. Se você é pai ou mãe de adolescentes, aproveite para assistir vídeo com seus filhos e iniciar uma boa conversa.

Muitos sites dizem que Phelps foi salvo pelo livro ou que foi salvo pelo desejo de competir nas Olimpíadas de 2016. Outros dizem que o nadador entregou sua vida a Jesus. Nenhum desses fatos é verdadeiro! A única verdade é que Deus agiu poderosamente e deu novo rumo à vida de Phelps.

A história de Michael Phelps pode mostrar aos nossos adolescentes e jovens como uma trajetória de sucesso pode ser interrompida quando estamos afastados de Deus. E também mostra que na sua graça e misericórdia, só Deus pode nos resgatar de uma situação de dor, falta de esperança e de vontade de viver.

Estou convencido de que aquele que começou boa obra em vocês, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus. Efésios 1:6

 

Pais e Adolescentes: um Relacionamento Vital

Capa do Livro

       Capa do Livro

Acabei mais uma leitura e quero compartilhar com vocês, o que na minha opinião é a mais importante mensagem do livro “The Price of Privilege” de Madeline Levine, Ph. D., e psicóloga clinica especializada em adolescentes com mais de 25 anos de experiência nessa área. É importante lembrar que a Dra. Levine escreveu à partir da sua experiência com adolescentes de uma área de classe rica na Califórnia. E como o próprio nome do livro já diz, ele mostra o preço que essa geração de adolescentes que tem alto poder aquisitivo está pagando por conta disso. Esses adolescentes que tem tudo fácil acabam se tornando infelizes e problemáticos. Isso pode parecer uma constatação óbvia para muitos de nós, afinal, dinheiro não traz felicidade. Mas o interessante é que para escrever seu livro a Dra. Levine entrou em contato com outros terapeutas de diferentes áreas dos EUA e que atendem diferentes classes sociais e constatou que eles encontravam os mesmos problemas com os adolescentes que atendiam. Isso nos pensar que em maior ou menor grau, esse é um problema dessa geração de adolescentes independente de sua classe social.

Um dos aspectos mais importantes que o livro trata é da relação dos pais com seus filhos adolescentes. Esse relacionamento, que é vital para o bom desenvolvimento dos adolescentes, é negligenciado hoje e muitas vezes terceirizado: pais deixam a criação de seus filhos a cargo da  escola, da igreja e do terapeuta. As grandes mudanças que acontecem no cérebro dos adolescentes só são comparadas às grandes mudanças que acontecem no cérebro de crianças na primeira infância.

Foto: FreeDigitalPhotos.net

       Foto: FreeDigitalPhotos.net

É na adolescência que começa a formação do caráter e do identidade e os pais são parte importantíssima nisso. E o grande problema é que é nessa fase que os maiores conflitos entre pais e adolescentes acontecem de uma forma não saudável. Os pais precisam estabelecer com seus filhos adolescentes uma relação de amor e autoridade (não autoritarismo) para que possam ensinar e disciplinar seus filhos. Nossa tendência é transformar essa relação numa verdadeira guerra, quando deveríamos aproveitar essa época para fazer de nossos filhos adolescentes, nossos discípulos. Os adolescentes começam a enfrentar dilemas morais e decisões difíceis no dia a dia e se não tiverem os pais como referência e porto seguro irão procurar referências nos seus pares, na mídia, nos ídolos da moda e na cultura vigente.

refeiçãojpgInfelizmente não há uma “receita” ou um passo à passo para conseguir isso, porque cada família tem a sua própria dinâmica. Mas a Dra. Levine dá algumas dicas tão simples, que acabaram sendo negligenciadas por nós. A hora do jantar, por exemplo, quando é mais fácil reunir a família nessa fase da vida pode ser um momento especial para conversas informais que podem ajudar pais e filhos adolescentes a se aproximarem. Apesar do sobrenome “Bedicks”, que ganhei ao me casar, venho de uma família italiana “Dalla Valle” e o horário do jantar era uma grande e gostosa reunião informal de uma família de 4 filhos. Era um horário em que tínhamos que nos desligar de tudo e todos tinham que se sentar à mesa juntos e sair da mesa juntos. O que no início pode ter começado como uma imposição, logo se tornou um dos melhores momentos do dia para todos e nos beneficiamos muito desses longos jantares. Sei que é mais difícil fazer isso hoje, ainda mais quando Smartfones e Tablets são praticamente extensões do corpo e da mente dos adolescentes, mas não é impossível.

A Dra. Levine nos lembra que a parte do cérebro que é responsável por controlar comportamentos impulsivos não está madura antes dos 20 anos. Pesquisas mostram que a capacidade de auto controle dos adolescentes está intimamente ligada com a qualidade do relacionamento deles com os pais. Isso mostra que a adolescência é uma excelente oportunidade para os pais ajudarem seus filhos no desenvolvimento do auto controle. E a melhor forma de se fazer isso é deixar que o adolescente ganhe independência e autonomia aos poucos, sempre monitorado pelos pais, até que seu cérebro esteja mais desenvolvido. Em outras palavras, equilíbrio entre a liberdade que eles recebem e monitoramento (não policiamento) é um ponto chave para isso.

Vale lembrar que nosso manual de vida, a Bíblia, fala da importância do relacionamento entre pais e filhos muito antes dessas descobertas e pesquisas em textos como Deuteronômio 6:6-7, Provérbios 29:17, Provérbios 13:24 , Efésios 6:1-4.

Instrua a criança segundo os objetivos que você tem para ela, e mesmo com o passar dos anos não se desviará deles.
Provérbios 22:6