Flautista Ou Profeta: Qual É O Seu Chamado?

Flautista de Hamelin

Você ja ouviu ou leu a estória do Flautista de Hamelin? Lenda ou verdade, essa estória teve origem na idade média e chegou até nós através de um dos contos dos irmãos Grimm. Mas você deve estar se perguntando: o que essa estória tem a ver com o Ministério de Adolescentes? E eu respondo: tudo. Ou você nunca se imaginou com uma flauta que ao menor toque capturasse a total atenção do seu grupo de adolescentes, mesmo que eles fossem 130 adolescentes? Imagine se você tivesse o poder de fazer com que eles obedecessem cada comando seu apenas com a melodia de uma flauta. Parece tentador, além de divertido. Claro que não usaríamos a flauta para sumir com os adolescentes para sempre como fez o Flautista de Hamelin, (embora isso pudesse agradar algumas lideranças de certas igrejas em lugares distantes).

Nós iríamos atrair esses adolescentes para nós e é aí que mora o grande perigo do Ministério com Adolescentes. Como, geralmente, nós que temos o chamado para esse ministério somos apaixonados, nos entregamos totalmente, somos idealistas e sonhadores, podemos facilmente cair na armadilha de pensarmos que temos o que essa garotada realmente precisa e que somos pessoalmente responsáveis por salvá-los e deixamos Deus de lado. Parece loucura ou algo impossível de acontecer, mas isso é muito mais comum do imaginamos e quando isso acontece, quando nos tornamos Flautistas, o peso do Ministério nos consome rapidamente e desistimos.

Profeta João Batista

Nós definitivamente não somos a Luz de que eles precisam, mas somos aqueles que precisam mostrar para eles onde está a Luz que eles tanto precisam. Nosso chamado é para sermos Profetas e não Flautistas. E por tudo o que sabemos sobre os profetas das Escrituras, ser profeta não é nada fácil. O profeta anuncia, testemunha e guia. Ele vai falar a verdade e apontar para Aquele que está muito além dele. Enquanto o Flautista encanta, o Profeta cutuca e incomoda. Daí o perigo de cairmos na armadilha de nos tornarmos Flautistas.

E só para ajudar, o nosso modelo bíblico de Profeta deve ser João Batista, aquele que comia gafanhoto e mel e vivia no deserto. E a Bíblia nos diz que João pregava o arrependimento para as pessoas. A verdade é que temos que mostrar aos adolescentes o que está errado, o que está ruim, o que está na escuridão e precisa da Luz. E precisamos fazer isso com amor e dando-lhes esperança de que em Cristo tudo é possível. Resumindo, precisamos levá-los ao arrependimento, ao sentimento de que precisam dessa Luz que só Jesus pode lhes dar para que haja transformação de vida. Se vocês ainda tem alguma dúvida de que é essa nossa missão vejam o que João fala em Lucas 3:3-6 

3Ele percorreu toda a região próxima ao Jordão, pregando um batismo de arrependimento para o perdão dos pecados.
4Como está escrito no livro das palavras de Isaías, o profeta: “Voz do que clama no deserto: ‘Preparem o caminho para o Senhor, façam veredas retas para ele.
5Todo vale será aterrado e todas as montanhas e colinas, niveladas. As estradas tortuosas serão endireitadas e os caminhos acidentados, aplanados.
6E toda a humanidade verá a salvação de Deus’”.

Sei que esse texto é para todos nós, mas ao lê-lo não posso deixar de pensar que não conheço nenhuma outra fase da vida com tantos vales, montanhas, colinas e estradas tortuosas como a adolescência.

Então, você é Flautista ou Profeta?

Esse texto foi baseado no Chapter 14: Theological Framework for Youth Ministry: Repetence by Robin Maas do Livro STARTING RIGHT: Thinking theologically about youth ministry 

Anúncios

Teologia e Adolescentes: Como Combinar Essas Duas Palavras

Ao ouvirmos a palavra Teologia, pensamos em algo muito acadêmico, intelectual e distante dos adolescentes e até mesmo daqueles que trabalham com os adolescentes. Isso acontece porque nos esquecemos que Teologia é a reflexão humana sobre quem Deus é e como Deus age no mundo. Portanto, a teologia, seja ela cristã ou não, está em praticamente todos os elementos de nossa cultura e da cultura adolescente. Teologia não é algo para os estudiosos, mas faz parte do nosso dia a dia, mesmo que não tenhamos consciência disso.

E o papel do Ministério de Adolescentes é identificar quais são as nossas convicções como cristãos de quem Deus é e como ele age e mostrar aos adolescentes quais são as implicações práticas disso ou como isso deve se refletir na nossa maneira de viver. Complicou? Então vamos por partes:

1. Identificar as nossas convicções de quem Deus é e como ele age. Como diz Kenda C. Dean no livro Starting Right, essas são as nossas “Rochas Teológicas” sobre as quais construiremos o nosso ministério. Para começar, pense que você tem apenas 5 coisas para ensinar aos adolescentes sobre Deus. Quais seriam essas 5 “Rochas Teológicas”? As minhas “Rochas Teológicas” são:

E quais são as suas  “Rochas Teológicas” ?

2. Mostrar aos adolescentes que implicações isso tem na nossa maneira de viver. Isso significa ajudar os adolescentes a desenvolverem sua fé para se tornarem teólogos práticos, que tem um relacionamento pessoal com Jesus Cristo e à partir disso agem ou vivem como cristãos que querem fazer diferença no mundo.

É verdade que todos os cristãos, incluindo os adolescentes, são chamados para serem teólogos práticos. Os adolescentes precisam entender (embora alguns adultos ainda não tenham entendido) que o cristão não é apenas alguém moralmente bom. O cristão é alguém que vive e age baseado na sua fé sobre quem Deus é, na pessoa do seu Filho Jesus Cristo e o que Ele está fazendo no mundo.

A cultura adolescente está em constante mudança e por isso temos que adaptar a forma ou os métodos que vamos usar para transmitir a eles o que não muda nunca: a Palavra de Deus. E para isso precisamos da nossa base teológica ou das nossas “Rochas Teológicas.”

O Ministério de Adolescentes precisa deixar de ser visto pela Igreja Brasileira como um ministério de entretenimento, que pode ser liderado apenas por jovens bem intencionados, sem formação teológica e ser visto como parte da Igreja que tem o mandato de Deus para ministrar às gerações mais novas.

“Agora que estou velho, de cabelos brancos, não me abandones, ó Deus, para que eu possa falar da tua força aos nossos filhos, e do teu poder às futuras gerações.” Salmos 71:18

Por Que Esse Blog Ficou em Silêncio?

Depois de quase 2 meses em total silêncio, esse blog está voltando e voltando com muitas novidades. Antes, devo desculpas aos leitores do blog e uma explicação por um silêncio tão longo.

Fuller Theological Seminary

Nos últimos 2 meses tenho me dedicado quase que exclusivamente a um projeto antigo, um sonho ou uma loucura na opinião de alguns: fazer Doutorado em Ministério de Adolescentes num conceituado Seminário norte-americano. E depois de tantos papéis, trabalhos, provas de inglês (TOEFL), finalmente fui aceita para o Programa de Doutorado em Ministério na Escola de Teologia do Fuller Theological Seminary na California! Farei o Doutorado em Ministério de Youth, Family and Culture durante 3 anos, à distância com apenas 2 semanas intensivas presenciais por ano, começando em 29 de outubro desse ano! Esse Youth Ministry, não é o Ministério de Jovens e sim o Ministério de Adolescentes e eles consideram adolescentes a faixa etária de 10 a 19 anos.

Sim, com quase 51 anos vou começar um Doutorado a distância, em inglês, por 3 anos e vou gastar uma grande quantia em dinheiro para isso, apesar de não ter um emprego fixo atualmente. E tudo isso depois de ter sido demitida de meu último trabalho em uma igreja local por ser uma especialista no em Ministério de Adolescentes. Por que eu faria tal loucura? Simplesmente porque tenho um chamado de Deus para esse Ministério e vejo o quanto a Igreja Brasileira precisa mudar seu olhar em relação aos adolescentes e principalmente, para aqueles que se dedicam a trabalhar com essas faixas etárias.

Estou falando aqui daqueles que tem o chamado para trabalhar com os adolescentes, mas a Igreja Brasileira precisa acordar para o que a Bíblia diz repetidas vezes: que uma geração é responsável pela geração que vem a seguir. E quando a geração anterior deixa de cumprir o seu papel, uma geração inteira se afasta dos caminhos do Senhor, como lemos em Juízes 2:10-11:

10 Depois que toda aquela geração foi reunida a seus antepassados, surgiu uma nova geração que não conhecia o SENHOR e o que ele havia feito por Israel.

11 Então os israelitas fizeram o que o SENHOR reprova e prestaram culto aos baalins.

É nosso dever mostrar e ensinar às novas gerações os valores de Deus que são eternos, não mudam com o tempo, com a moda ou com a sociedade da época. E se nós como Igreja não atuarmos firmemente na formação das novas gerações ensinando os valores de Deus para eles, outros ensinarão valores diferentes para eles.

Starting Right

Por isso já comecei a ler as cerca de 6000 páginas (ufa!) que tenho para ler até o dia 29 de outubro e quero compartilhar com vocês, através desse Blog, o que estou aprendendo. Entre os 17 títulos que vou ler, resolvi começar pelo mais sugestivo “Starting Right” (Começando Certo)

Então, aguardem o próximo post sobre Teologia e o Ministério de Adolescentes. Afinal depois de uma inteira de leitura, vou ter muito para escrever amanhã!