Nova Página: Perguntas e Respostas

Igreja O Brasil Para Cristo em Calmon Viana, Poá

Igreja O Brasil Para Cristo em Calmon Viana,                                             Poá

No último domingo, dia 25 de agosto, estive na Igreja O Brasil para Cristo Calmon Viana em Poá para um bom bate papo com pais e filhos adolescentes.

Tive a oportunidade de responder algumas perguntas feitas por eles e compartilhar um pouco das minhas experiências pessoais. Creio que as perguntas respondidas lá podem ajudar muitos líderes e pais de adolescentes, por isso resolvi criar uma nova página no blog chamada Perguntas e Respostas.

A página começa com as perguntas feitas e respondidas naquele evento, mas vocês também podem mandar suas perguntas para esse blog através do espaço Deixe uma Resposta, no final da página.

Espero que esse seja mais um canal de comunicação e ajuda para aqueles que trabalham com adolescentes e para pais.

Anúncios

Pais e Adolescentes: um Relacionamento Vital

Capa do Livro

       Capa do Livro

Acabei mais uma leitura e quero compartilhar com vocês, o que na minha opinião é a mais importante mensagem do livro “The Price of Privilege” de Madeline Levine, Ph. D., e psicóloga clinica especializada em adolescentes com mais de 25 anos de experiência nessa área. É importante lembrar que a Dra. Levine escreveu à partir da sua experiência com adolescentes de uma área de classe rica na Califórnia. E como o próprio nome do livro já diz, ele mostra o preço que essa geração de adolescentes que tem alto poder aquisitivo está pagando por conta disso. Esses adolescentes que tem tudo fácil acabam se tornando infelizes e problemáticos. Isso pode parecer uma constatação óbvia para muitos de nós, afinal, dinheiro não traz felicidade. Mas o interessante é que para escrever seu livro a Dra. Levine entrou em contato com outros terapeutas de diferentes áreas dos EUA e que atendem diferentes classes sociais e constatou que eles encontravam os mesmos problemas com os adolescentes que atendiam. Isso nos pensar que em maior ou menor grau, esse é um problema dessa geração de adolescentes independente de sua classe social.

Um dos aspectos mais importantes que o livro trata é da relação dos pais com seus filhos adolescentes. Esse relacionamento, que é vital para o bom desenvolvimento dos adolescentes, é negligenciado hoje e muitas vezes terceirizado: pais deixam a criação de seus filhos a cargo da  escola, da igreja e do terapeuta. As grandes mudanças que acontecem no cérebro dos adolescentes só são comparadas às grandes mudanças que acontecem no cérebro de crianças na primeira infância.

Foto: FreeDigitalPhotos.net

       Foto: FreeDigitalPhotos.net

É na adolescência que começa a formação do caráter e do identidade e os pais são parte importantíssima nisso. E o grande problema é que é nessa fase que os maiores conflitos entre pais e adolescentes acontecem de uma forma não saudável. Os pais precisam estabelecer com seus filhos adolescentes uma relação de amor e autoridade (não autoritarismo) para que possam ensinar e disciplinar seus filhos. Nossa tendência é transformar essa relação numa verdadeira guerra, quando deveríamos aproveitar essa época para fazer de nossos filhos adolescentes, nossos discípulos. Os adolescentes começam a enfrentar dilemas morais e decisões difíceis no dia a dia e se não tiverem os pais como referência e porto seguro irão procurar referências nos seus pares, na mídia, nos ídolos da moda e na cultura vigente.

refeiçãojpgInfelizmente não há uma “receita” ou um passo à passo para conseguir isso, porque cada família tem a sua própria dinâmica. Mas a Dra. Levine dá algumas dicas tão simples, que acabaram sendo negligenciadas por nós. A hora do jantar, por exemplo, quando é mais fácil reunir a família nessa fase da vida pode ser um momento especial para conversas informais que podem ajudar pais e filhos adolescentes a se aproximarem. Apesar do sobrenome “Bedicks”, que ganhei ao me casar, venho de uma família italiana “Dalla Valle” e o horário do jantar era uma grande e gostosa reunião informal de uma família de 4 filhos. Era um horário em que tínhamos que nos desligar de tudo e todos tinham que se sentar à mesa juntos e sair da mesa juntos. O que no início pode ter começado como uma imposição, logo se tornou um dos melhores momentos do dia para todos e nos beneficiamos muito desses longos jantares. Sei que é mais difícil fazer isso hoje, ainda mais quando Smartfones e Tablets são praticamente extensões do corpo e da mente dos adolescentes, mas não é impossível.

A Dra. Levine nos lembra que a parte do cérebro que é responsável por controlar comportamentos impulsivos não está madura antes dos 20 anos. Pesquisas mostram que a capacidade de auto controle dos adolescentes está intimamente ligada com a qualidade do relacionamento deles com os pais. Isso mostra que a adolescência é uma excelente oportunidade para os pais ajudarem seus filhos no desenvolvimento do auto controle. E a melhor forma de se fazer isso é deixar que o adolescente ganhe independência e autonomia aos poucos, sempre monitorado pelos pais, até que seu cérebro esteja mais desenvolvido. Em outras palavras, equilíbrio entre a liberdade que eles recebem e monitoramento (não policiamento) é um ponto chave para isso.

Vale lembrar que nosso manual de vida, a Bíblia, fala da importância do relacionamento entre pais e filhos muito antes dessas descobertas e pesquisas em textos como Deuteronômio 6:6-7, Provérbios 29:17, Provérbios 13:24 , Efésios 6:1-4.

Instrua a criança segundo os objetivos que você tem para ela, e mesmo com o passar dos anos não se desviará deles.
Provérbios 22:6

Escolhas de Hoje que Determinam o Amanhã

Ontem, domingo, pela manhã fiz algo que é muito raro e decidir assistir ao Esporte Espetacular com meu marido. E tive uma grata surpresa!

Ronaldo acompanha a saída de Carlos (Foto: Reprodução / TV Globo)

Ronaldo acompanha a saída de Carlos           (Foto: Reprodução / TV Globo)

O programa mostrou uma matéria emocionante sobre dois amigos que costumavam jogar futebol juntos quando jovens e que se reencontraram em uma situação inusitada 20 anos depois. Eles até chegaram a jogar em diversos times de segunda divisão no Brasil e no exterior. Mas os dois escolheram caminhos tão diferentes na juventude que um acabou se tornado juiz de direito e o outro um presidiário por tráfico de drogas. Para ler mais sobre isso ou assistir a matéria na íntegra clique aqui.

Logo pensei  nos nossos adolescentes e jovens e nas escolhas que eles tem fazer hoje e que podem decidir o futuro deles. E há alguns fatores a serem considerados aqui. Vivemos num mundo onde o que importa é viver o momento e a satisfação momentânea sem se importar com as consequências futuras. E sabemos que para tomar  decisões sábias precisamos levar em consideração as possíveis conseqüências de diferentes escolhas.

Um outro aspecto importante é que recentemente as pesquisas sobre o desenvolvimento cognitivo de adolescentes e jovens tem avançado muito principalmente em dua áreas: desenvolvimento do pensamento crítico e a tomada de decisões. Essas duas habilidades são essenciais para que eles possam fazer escolhas sábias. Mas além de adolescentes e jovens  estarem atingindo seu potencial de pensamento crítico mais tarde, todo o nosso sistema educacional e as “facilidades” do mundo tecnológico não permitem que eles desenvolvam completamente esse potencial. Soma-se a isso o fato de que fatores psicossociais como emoções, pressão do grupo e mídia exercem mais influência sobre eles, na hora de tomar decisões, do que sobre os adultos.

Foto: Freedigitalphotos.net

Foto: Freedigitalphotos.net

Novas pesquisas também mostram que o desenvolvimento cerebral hoje é mais lento do que no passado e embora a cognição vá se desenvolvendo ao longo da adolescência e juventude, ela só estará completamente madura na idade adulta. Portanto, as habilidades em áreas como tomada de decisões e pensamento sobre as consequências de seus atos ainda não estão completamente desenvolvidas. Isso explica a facilidade que adolescentes e jovens tem para se envolver em situações de risco e para tomar decisões com consequências desastrosas.

Então qual é a saída para isso? Já que não podemos interferir no desenvolvimento cerebral, podemos atuar nos fatores psicossociais. Pais, líderes, professores e a própria igreja podem ser uma boa influência sobre eles. Para isso, pais tem que estar cada vez mais próximos de seus filhos e desenvolver relacionamentos de amor e confiança com eles e a igreja deve ser parceira dos pais nessa tarefa. A Bíblia está repleta de histórias de pessoas que tomaram decisões erradas, como Davi e Sansão, e sofreram as graves consequências dessas decisões. Nossos adolescentes e jovens precisam conhecer essas histórias e saber que elas continuam se repetindo hoje, como na história do ex-jogador de futebol e do juiz que a reportagem do Esporte Espetacular mostrou.

Foto: Freedigitalphotos.net

Foto: Freedigitalphotos.net

“Há caminho que parece reto ao homem, mas no final conduz à morte.”
Provérbios 16:25

Que Deus nos dê a sabedoria necessária para ajudar nossos adolescentes e jovens a tomarem decisões que irão determinar o futuro deles.

Quando Deus Renovou meu Chamado

Logo da NYMC 2009

Logo da NYMC 2009

Servir a Deus no Ministério de Adolescentes é muito bom, mas não é nada fácil. Se você está nesse ministério por um tempinho, sabe bem do que eu estou falando.

Era apenas o começo de 2009, e a igreja na qual eu trabalhava estava fazendo uma “santa” pressão para que eu deixasse o ministério da Nova Geração e me dedicasse ao ensino de adultos. Afinal, eu tinha meu MDiv e era muito qualificada. Em outras palavras, qualificada demais para servir no Ministério de Adolescentes. Esse tipo de elogio era quase que uma ofensa para mim, pois tinha ido para o Seminário estudar e me preparar para servir nesse ministério. E apesar de ter todo o apoio do meu chefe na época, o pastor das Faixas Etárias, eu ficava em dúvida. Valia a pena viver brigando por mais espaço para os adolescentes na igreja, trabalhar muito e ganhar tão pouco?

Group capaSou assinante da revista norte-americana Group e estava “namorando” uma Conferência de Ministério de Adolescentes que aconteceria em Columbus Ohio, no final de fevereiro daquele ano. Então 10 dias antes dessa Conferência, decidi que iria participar dela e iria buscar respostas de Deus lá. Só havia alguns probleminhas: as inscrições estavam esgotadas, não havia lugar nos hotéis, precisava comprar uma passagem para os EUA, convencer meu chefe e implorar para o meu marido. Para encurtar uma longa estória, resolvi todos esses probleminhas com alguns telefonemas no espaço de mais ou menos uma hora.

Livro que eu ganhei

Livro que eu ganhei

Dia 27 de fevereiro, à 1:00h da manhã desembarquei em Columbus, Ohio. A família que havia hospedado meu filho durante seu intercâmbio nos EUA, veio me buscar e me dar abrigo. Eles moram numa pequena cidade distante 1 hora de Columbus. Às 10 horas daquele mesmo dia, eu chegava no Centro de Convenções para a Pré-Conferência com Doug Fields sobre como liderar e manter uma equipe voluntária. Eram cerca de 140 pessoas na sala e ao término da primeira parte o Doug disse que daria seu mais recente livro para a pessoa que havia vindo de mais longe. E como eu era a única estrangeira da sala, ganhei o livro.

Meu crachá com os bottons

Meu crachá com os bottons

No final da Pré-Conferência, o Doug veio conversar comigo: como eu tinha ido parar lá? Minha igreja no Brasil estava me enviando? Quem era eu? Contei rapidamente para ele minha estória e no mesmo instante Doug pegou seu rádio e chamou a Kami Gilmour. Ela era a diretora da Conferência e assim que ela chegou na sala, o Doug pediu para ela ir comigo até a livraria da Conferência para que eu pegasse tudo o que iria precisar! O quê? Esse cara é louco? Mal me conheceu e resolve me dar todo o material que eu quisesse? Perguntei por que ele estava fazendo aquilo e ele me respondeu que assim eu voltaria para o Brasil com material suficiente para dizer à liderança da minha igreja, que o Doug Fields estava mandando eu continuar no Ministério de Adolescentes! Será que Deus estava respondendo minhas perguntas?

Foi com essa dúvida que comecei a assistir o vídeo de abertura da NYMC algumas horas mais tarde. E as frases do vídeo começaram a falar diretamente comigo:

Você se lembra:

  • O que sentiu quando soube que estava embarcando numa jornada para mudar vidas
  • E aquele momento em que um garoto se rendeu e aceitou a Cristo
  • Do olhar deles quando só você e ninguém mais parecia se importar com eles
  • Quando você quis largar tudo, mas voltou atrás na manhã seguinte
  • Da primeira vez que sentiu que não estava só no ministério
  • E daqueles dias em 2009, em Ohio, quando Deus renovou seu chamado para o Ministério de Adolescentes?

Nessa altura, aos prantos, tinha vontade de gritar: “Sim, eu me lembro Senhor!”. Mas logo veio a dúvida: Será que Deus está respondendo minhas perguntas?

Braddigan

Braddigan

Depois de ouvir dois garotos, Alex e Brett Harris, falando sobre o livro deles “Do Hard Things”, (“Radicalize” na edição em português) uma banda subiu ao palco e antes de começarem a tocar, eles se apresentaram. Era a banda Braddigan composta por Brad Corrigan (americano), Reinaldo (porto riquenho) e Tiago (brasileiro!). Eles começaram tocando uma música composta por eles nas 3 línguas e alguns segundos depois, todo o auditório de 2000 pessoas estava louvando a Deus em português! Sim, Deus estava respondendo minhas perguntas!

Quero encorajar você que tem lutado bravamente para sobreviver no Ministério de Adolescentes. Deus quer pessoas preparadas e apaixonadas por esse ministério! Você não está sozinho! Vamos nos unir por esse ministério no Brasil!

Lembro-me da minha aflição e do meu delírio, da minha amargura e do meu pesar.
Lembro-me bem disso tudo, e a minha alma desfalece dentro de mim.
Todavia, lembro-me também do que pode dar-me esperança
Lamentações 3:19-21 

Sonhe comigo e sonhe com a SYMC 2014

SYMC 2014: Vamos Sonhar Juntos?

couch

SYMC 2014,  é a Simply Youth Ministry Conference, uma Conferência sobre Ministério de Adolescentes realizada pelo ministério norte-americano Simply Youth Ministry e a Group Publishing. A Edição de 2014 acontecerá em Columbus, Ohio, entre os dias 7 e 10 de março. E eu estarei lá! Será minha 6a SYMC! É, na verdade eu já faço parte de um grupo que é literalmente fã de carteirinha dessa Conferência, o IT3. É um grupo de pessoas incríveis, líderes, pastores e voluntários de Ministério de Adolescentes. A única coisa triste sobre esse grupo é que eu sou a única brasileira e sonho ver mais líderes brasileiros lá.

Se você é um leitor desse blog, já deve ter visto minhas postagens sobre a SYMC nesse ano, em 2012 e 2011. Posso dizer que aprendi muito nessa Conferência que sempre traz líderes veteranos de adolescentes que estão na batalha diária do ministério e professores de renomados Seminários norte-americanos, como o Fuller Theological Seminary. Por falar em Fuller, foi numa dessas Conferências que conheci o DMin em Adolescentes, Família e Cultura, que comecei a cursar ano passado. A Conferência tem as plenárias gerais, onde todos os anos cerca de 3000 líderes de adolescentes se reúnem para louvar, rir, chorar e aprender. Nos outros períodos há uma variedade imensa de workshops nos mais variados formatos (8 horas, 4 horas e 2 horas) e painéis, todos muito interativos. Como um dos slogans da SYMC diz, ela é uma Conferência feita por líderes de Ministério de Adolescentes para líderes de Ministério de Adolescentes. Não é um grande show, mas sim um grande encontro onde você aprende muito sobre a prática do ministério e todos os palestrantes são extremamente acessíveis. Nesse vídeo abaixo você pode ver os melhores momentos da SYMC 2013:

Vocês devem estar pensando: “Mas e o inglês? Preciso saber muito inglês para participar?”. Sim, você precisa saber inglês, principalmente se quiser participar mais ativamente dos workshops e painéis. A Conferência não tem tradução, mas já conversei com a liderança da Conferência e se houver um bom número de participantes brasileiros, podemos pensar em contratar uma tradução simultânea por nossa conta, mas com todo apoio logístico da SYMC.

Abaixo, segue o vídeo de abertura da Conferência de 2009, a primeira que eu fui. Espero que você possa sentir a mesma emoção que senti quando assisti esse vídeo.

Você também pode assistir outros vídeos aqui ou nesse canal .

Convido você a sonhar com a SYMC 2014. Será muito bom ter mais brasileiros lá. Mas convido você a sonhar mais alto ainda, a sonhar com uma conferência assim aqui no Brasil! 

Se quiser mais informações, entre em contato comigo através de um comentário nesse blog.

Entender os Adolescentes é Possível!

Foto: Freedigitalphotos.net

Foto: Freedigitalphotos.net

Sim, entender os adolescentes é possível e necessário para que possamos nos comunicar com eles, estabelecer relacionamentos e ajudá-los. Estou afirmando que isso é possível o que não significa que seja fácil!

Adolescence and Emerging AdulthoodE só para complicar, hoje em dia isso é ainda mais difícil porque os adolescentes acabam criando uma cultura local deles, além de serem cidadãos do mundo e também participarem de uma cultura adolescente global. Em outras palavras, a maior parte dos adolescentes do Brasil tem mais coisas em comum com adolescentes dos Estados Unidos do que com seus próprios pais e líderes. Foi para entender a complexidade dessa situação, que acabei de ler o segundo livro para o meu Doutorado, Adolescence and Emerging Adulthood: A Cultural Approach (4th Edition) de Jeffrey Jensen Arnett, um psicólogo norte-americano, Ph.D em Desenvolvimento Humano e especializado em adolescentes e jovens.

Foto: Freedigitalphotos.net

Foto: Freedigitalphotos.net

O livro trata amplamente de todos os aspectos relativos ao desenvolvimento de  adolescentes e jovens sempre dando uma perspectiva cultural. As pesquisas do autor estão mais voltadas para a cultura dos adolescentes americanos, mas ele aborda essa cultura global em todos os capítulos. Além disso, ele também fala dos aspectos básicos, como desenvolvimento biológico, desenvolvimento cognitivo, gêneros e desenvolvimento pessoal. Depois ele vai tratar dos diferentes contextos em que adolescentes e jovens vivem: relações familiares, amigos, amor, sexualidade, escola, trabalho e mídia. Através de todo o livro é possível perceber como a cultura influencia essas novas gerações e que se quisermos entendê-los e ensiná-los é preciso conhecer primeiro a cultura deles e as percepções que eles tem dos variados aspectos da vida. Ao final da leitura, ficou muito claro para mim a semelhança que nós, que trabalhamos com essas novas gerações, temos com um missionário que vai atuar em outra cultura. Nada mais somos que missionários adultos trabalhando dentro de uma cultura adolescente e precisamos conhecer pelo menos os aspectos mais importantes dessa cultura.

No capítulo que ele trata das crenças religiosas, Arnett diz que para a maior parte dos adolescentes americanos hoje, a religião tem mais relação com ser uma boa pessoa e se sentir feliz e bem do que com as ideias de pecado, graça e redenção que o Cristianismo prega. Ele chegou a essa conclusão ao analisar a pesquisa feita pelo NSYR e o Deísmo Moralista Terapêutico, que foram tratados no último post “Que Evangelho Estamos Ensinando para os Adolescentes?”. Vivemos na cultura onde o que importa é ser feliz e se sentir bem e é a partir desse ponto que os adolescentes e jovens fazem a sua leitura da religião.

Foto: Freedigitalphotos.net

Foto: Freedigitalphotos.net

Como creio que nada é totalmente novo, durante toda a leitura, lembrei muito de Paulo, que sabia muito bem estudar e entender a cultura para fazer o link necessário com o Evangelho, como lemos em Atos 17 no Areópago de Atenas.

Nosso desafio é conhecer cada vez melhor a cultura de nossos adolescentes e como ela influência a visão de mundo deles para que possamos construir relacionamentos com eles e ganhar o direito de falar do Evangelho para eles.